Uma das grandes, senão a maior, vantagem do motor a combustão sobre os elétricos é o carregamento. Gasolina, diesel ou etanol, o tempo médio para encher um tanque não passa de dois, três, quatro minutos, no máximo.

No EV, por sua vez, o tempo de carga da bateria varia bastante, dependendo do tamanho dela e da fonte de energia. Mas, na média, estamos falando em horas para chegar a 100%, principalmente se o modelo for plug-in e puder ser carregado na tomada de casa (que tem potência menor).

publicidade

Sim, o carro elétrico polui menos, não faz barulho, costuma ser mais tecnológico, mas esse ponto negativo costuma desestimular vários motoristas.

A indústria leva isso em consideração, é claro, e vários cientistas e engenheiros buscam baterias mais eficientes – ou mais baratas, pelo menos (o preço é outro ponto fraco dos EVs).

publicidade

E a solução pode vir do Reino Unido.

publicidade
Veículo conseguiu 80% de carga com apenas 4 minutos e 37 segundos (Imagem: Divulgação/Nyobolt)

Leia mais:

Conheça o Nyobolt EV

  • A empresa, que também se chama Nyobolt, apresentou esse protótipo funcional que conseguiu carregamento de 80% da bateria em apenas 4 minutos e 37 segundos – isso usando a infraestrutura atual de fontes de energia;
  • O segredo estaria na bateria do veículo: ela é feita de óxido de tungstênio e nióbio;
  • Os 80% de carga garantiram autonomia de 190 quilômetros ao modelo;
  • Esse desempenho foi alcançado usando carregadores rápidos padrão (embora de ponta) de 350 kW e 800 V CC;
  • Além de velocidade, a Nyobolt também promete vida longa razoável;
  • A empresa afirma que suas baterias suportam mais de quatro mil ciclos de carga – o que equivaleria a mais de 965,6 mil km de estrada;
  • Outro diferencial do Nyobolt e que ele é um EV relativamente leve. O protótipo pesa 1,25 toneladas;
  • Para você ter uma ideia, só a bateria de um Tesla Model S pesa 544 kg – e o peso total do carro é de 2,06 toneladas;
  • Em vez de tentar criar grandes conjuntos de baterias para um alcance enorme, eles optaram por projetar um carro mais leve com um conjunto de baterias menor de apenas 35 kWh, oferecendo autonomia de 250 km.

Veremos Nyobolts nas ruas?

Conforme o New Atltas, a resposta é não, não veremos esse belo cupê elétrico pelas ruas. É improvável que o Nyobolt EV entre em produção em larga escala. Com a bateria dele, no entanto, a história é diferente.

publicidade

A companhia afirma que está “em conversas” com oito fabricantes de veículos e que a bateria de carregamento rápido fará sua estreia comercial em aplicação de robótica ainda este ano.

A Nyobolt, portanto, não pensa em ganhar dinheiro com seu EV, mas, sim, com sua bateria de óxido de tungstênio e nióbio.

De acordo com a marca, além do uso em carros, a bateria também teria aplicações na indústria pesada e até mesmo em aeronaves elétricas ou eVTOL, os chamados carros voadores.

É uma pena que não o veremos rodando pelas ruas (Imagem: Divulgação/Nyobolt)