O talco é um produto usado há gerações para diversos fins, como na higienização de bebês. Só que, agora, talvez, seja melhor você repensar o uso dele, pois a agência de câncer da Organização Mundial da Saúde (OMS) o classificou como potencialmente cancerígeno para humanos.

Além do talco, a agência também classificou como cancerígena a acrilonitrila, utilizada na produção de polímeros, que, por sua vez, estão presentes no plástico, por exemplo. Os resultados da pesquisa foram divulgados na The Lancet Oncology, nesta sexta-feira (5), por especialistas do Centro Internacional de Pesquisa do Câncer (CIRC/IARC), locados em Lyon (França).

publicidade

Os cientistas chegaram nesta conclusão após analisarem estudos parciais em humanos (câncer de ovário) e provas suficientes advindas de animais de laboratório.

publicidade
Preocupação com a relação entre talco e câncer é antiga (Imagem: Shutterstock)

Leia mais:

Como se dá a geração de câncer em pessoas a partir do talco

  • De acordo com eles, a exposição se dá especialmente no ambiente de trabalho de quem trabalha com talco, especificamente durante a extração, moagem ou processamento da substância, ou na fabricação de produtos que contenham talco;
  • Já a população em geral é exposta principalmente a partir do uso de cosméticos e pós-corporais que contém talco;
  • Mas os investigadores não descartam preconceitos nos estudos;
  • Apesar de a pesquisa ter focado no talco sem a presença de amianto, não é possível eliminar a substância contaminada com amianto na maioria dos estudos em humanos.

Em junho passado, a Johnson & Johnson definiu acordo com 42 estados dos EUA, sob alegação de que o talco da gigante farmacêutica estaria causando câncer.

publicidade

Contudo, uma síntese de estudos de janeiro de 2020 e baseada em avaliações de 250 mil mulheres estadunidenses não encontrou ligação estatística entre o uso de talco na região genital e risco de câncer de ovário.

Preocupação com câncer envolvendo talco é antiga

As preocupações envolvendo talcos e câncer surgiram nos anos 1970, especificamente os que continham amianto, comumente encontrado próximo aos minerais que compõem o talco.

publicidade

Mais adiante, estudos indicaram risco maior de câncer de ovário para as mulheres que utilizavam o produto.

Já a acrilonitrila foi classificada como cancerígena por “evidências suficientes de câncer de pulmão” e “evidências limitadas” de câncer de bexiga, indica a IARC.

Exemplo de uso da acrilonitrila (Imagem: MOONG H/Shutterstock)

Os polímeros que contém acrilonitrila são comumente utilizados em fibras para roupas, carpetes, plásticos para produtos de consumo e peças automotivas. A substância agora considerada cancerígena também aparece na fumaça do cigarro, fazendo com que a poluição do ar seja outra fonte de exposição.