Asteroide em rota de colisão

Cientistas flagram asteroide sendo destruído

Rafael Rigues, editado por Liliane Nakagawa 27/11/2019 16h11
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Dados obtidos com a colisão podem ajudar a proteger nosso planeta contra impactos no futuro

Astrônomos operando o Pan-STARRS1, telescópio no topo do monte Haleakala na ilha de Maui, no Havaí, conseguiram observar um fenômeno raro: a colisão entre dois objetos no cinturão de asteroides que fica entre Marte e Júpiter.


Ao contrário do que é mostrado no cinema, embora o cinturão seja composto por milhões de objetos a distância entre eles é grande e colisões são raras. Mas por volta de 6 de março de 2016 um asteroide de 390 metros de diâmetro batizado de P / 2016 G1 foi atingido por outro, com cerca de 30 cm e um quilo.

Reprodução

Parece pouco, mas a uma velocidade de 17 mil quilômetros por hora o asteroide menor estava se movendo cinco vezes mais rápido que uma bala disparada por um rifle. Ele foi completamente desintegrado no impacto, enquanto o “alvo” se quebrou em pedaços ao longo dos meses seguintes, até se tornar impossível de ver.

O evento não foi observado em tempo real. Os cientistas reconstruíram a "linha do tempo" da colisão combinando múltiplas observações de P / 2016 G1 ao longo de meses, até ele praticamente desaparecer em dezembro de 2018.

Com o impacto os cientistas obtiveram uma visão oportuna da destrutibilidade dos asteroides, o que pode ajudar a defender a Terra contra futuras colisões. Afinal, “a melhor maneira de ver quão duro é um objeto é quebrá-lo”, disse Olivier Hainaut, astrônomo do Observatório Europeu do Sul e principal autor de um estudo sobre a colisão, publicado no início deste ano na publicação Astronomy & Astrophysics.

Embora o asteroide possa ter desaparecido, os dados coletados podem ser úteis no futuro. Com tempo de aviso suficiente, um asteroide que se dirigisse para a Terra seria idealmente desviado colidindo uma espaçonave em alta velocidade contra ele. Mas um impacto descuidado poderia quebrar o asteroide em fragmentos que ainda poderiam cair na Terra.

Saber que tipos de impactos causam desvios e interrupções é essencial para a proteção da Terra contra asteroides errantes. Isso faz do desaparecimento do P / 2016 G1 uma fonte vital de informação, disse Megan Bruck Syal, pesquisadora de defesa planetária no Laboratório Nacional Lawrence Livermore, que não participou do estudo.

Fonte: The New York Times

Astronomia espaço Asteroide meteoro astrônomos astrofísica
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você