Nebulosa de Tarântula

Com bela imagem de nebulosa, Spitzer se despede em grande estilo

Renato Mota 31/01/2020 16h01
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Desativado nesta quinta depois de 16 anos de missão, o telescópio espacial fez um último registro da Nebulosa da Tarântula, um viveiro de formação de estrelas

O telescópio espacial Spitzer, da Nasa, foi colocado em modo de segurança nesta quinta-feira (30), interrompendo todas as operações científicas após 16 anos. Mas se despediu em grande estilo: enviou uma belíssima imagem da Nebulosa da Tarântula, um dos primeiros alvos estudados após seu lançamento em 2003.


A imagem em alta resolução combina dados de várias observações do Spitzer, mais recentemente em fevereiro e setembro de 2019. "Acho que escolhemos a Nebulosa da Tarântula como um dos nossos primeiros alvos porque sabíamos que ela demonstraria a amplitude das capacidades de Spitzer", disse Michael Werner, cientista de projetos de Spitzer.

O telescópio foi desenhado para registrar luz infravermelha – invisível ao olho humano, mas capaz de passar através de nuvens de gás e poeira, onde a luz visível não pode. Assim, os cientistas usam observações infravermelhas para ver estrelas recém-nascidas e "protoestrelas" ainda em formação, envoltas nas nuvens de gás e poeira das quais se formaram.

Localizada na Grande Nuvem de Magalhães - uma galáxia anã ligada gravitacionalmente à nossa Via Láctea - a Nebulosa da Tarântula é um viveiro de formação de estrelas. A nebulosa também hospeda o R136, uma região de "explosão estelar", onde estrelas massivas se formam extremamente próximas umas das outras, e a uma taxa muito maior do que no resto da galáxia.

Dentro de uma área com menos de 1 ano-luz de diâmetro (cerca de 9 trilhões de quilômetros ou 9 trilhões de quilômetros), existem mais de 40 estrelas massivas, cada uma contendo pelo menos 50 vezes a massa do Sol.

LEGADO

Lançado em 2003, o Spitzer foi um dos quatro grandes telescópios da Nasa, juntamente com o Hubble, o observatório de raios-X Chandra e o observatório de raios gama Compton.

"Spitzer nos ensinou sobre aspectos inteiramente novos do cosmos e nos deu muitos passos adiante para entender como o universo funciona, abordar questões sobre nossas origens e se estamos ou não sozinhos", disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Missão Científica da NASA.

Entre suas muitas contribuições científicas, o Spitzer estudou cometas e asteroides em nosso próprio sistema solar e encontrou um anel anteriormente não identificado em torno de Saturno. Estudou a formação de estrelas e planetas, a evolução das galáxias do universo antigo até os dias de hoje e a composição da poeira interestelar.

Também provou ser uma ferramenta poderosa para detectar exoplanetas e caracterizar suas atmosferas. O trabalho mais conhecido de Spitzer pode estar detectando os sete planetas do tamanho da Terra no sistema TRAPPIST-1 - o maior número de planetas terrestres já encontrado orbitando uma única estrela - e determinar suas massas e densidades.

Via: Nasa

Nasa Astronomia espaço Telescópio Ciência&Espaço
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você