EUA e Japão planejam rede de mil satélites para detectar mísseis

Satélites serão posicionados na órbita baixa da Terra; expectativa do governo norte-americano é lançar 30 espaçonaves experimentais até 2022, diz site

Victor Pinheiro 26/08/2020 17h08
Satélite rastreador de mísseis
A A A

Estados Unidos e Japão planejam instalar uma rede de mil pequenos satélites na órbita baixa da Terra para aprimorar o rastreamento de mísseis de última geração. Segundo o site de notícias Asia Nikkei, o projeto é uma resposta aos programas bélicos da China, Rússia e Coreia do Norte.


As três nações desenvolvem novas armas que poderiam evadir os sistemas de defesa norte-americanos e japoneses. Pequim e Moscou trabalham em mísseis hipersônicos capazes de voar em grandes velocidades em baixas altitudes. Já o governo de Kim Jong-Un testa mísseis que mudam de trajetória.

O atual sistema espacial antimíssil norte-americano opera em altitudes de 36 mil km. Isso dificulta que os recursos de defesa sejam capazes de detectar mísseis de tecnologia avançada. Para contornar o problema, a nova frota de satélites será posicionada em uma faixa de 300 a mil quilômetros de altitude.

OS EUA pretendem equipar 200 sondas com sensores infravermelho de detecção de calor voltados ao rastreio de mísseis. O Japão planeja aderir ao projeto e deve colaborar no desenvolvimento dos sensores e no design das espaçonaves. A baixa altitude, bem como o amplo alcance de cobertura da rede, permitirá que os satélites coletem informações detalhadas da superfície da terrestre.

Desde 2014, a Rússia desenvolve um sistema de 'mísseis antissatélites', chamado Nudol. Imagem: Reprodução

Segundo o Nikkei, os satélites contarão com telescópios ópticos e sistemas de posicionamento. A proposta é que a rede também monitore o percurso de navios de guerra, aviões de combate e tropas terrestres.

Os custo estimado do projeto está em torno de US$ 9 bilhões (R$ 50 bilhões). Os Estados Unidos esperam lançar 30 satélites experimentais até 2022 e iniciar a operação da rede  por volta de 2025. O governo norte-americano e o governo japonês ainda discutem detalhes do acordo, mas a parceria deve aprofundar o compartilhamento de recursos de inteligência entre os dois países.

Novo míssil de Pequim

A mídia estatal chinesa anunciou recentemente que a China desenvolveu um novo míssil capaz de despejar até 500 kg de submunições em um raio de 6 mil quilômetros. Equipado com asas semelhantes às de uma aeronave, o Tainlei 500 pode ser acionado a uma distância de até 60 km do alvo inimigo.

Durante o voo, o míssil libera explosivos e ainda é capaz de promover adaptações em sua própria estrutura para escapar de radares e sistemas de defesa antiaéreos. De acordo com o China North Industries Group, fundação estatal que criou o Tainlei 500, a arma é eficaz para atacar pistas de aeroportos, aeronaves no solo, instalações de energia e grupos numerosos de soldados armados.

Via: Asia Nikkei

espaço tecnologia militar satélite
Assinar newsletter
Assine nossas newsletters e receba conteúdos em primeira mão
enviando dados - aguarde...
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!.

Recomendados pra você