Galáxia

Pesquisa mostra que galáxias antigas podem ter vidas curtas

Maria Lutfi 20/01/2020 15h45
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Descobertas podem forçar astrônomos a repensarem sobre esses modelos e ajustarem sua compreensão dos primeiros dias do universo

Pode-se pensar que as galáxias do universo prosperam eternamente, mas esse não é o caso. Pesquisadores do Instituto Niels Bohr e do Observatório Nacional do Japão, descobriram a galáxia moribunda mais distante conhecida (com formação estelar suprimida), a 12 bilhões de anos-luz de distância. Em outras palavras, a mesma já estava diminuindo cerca de 1,5 bilhão de anos após o Big Bang - as primeiras galáxias surgiram cerca de um bilhão de anos antes. 


A equipe usou uma combinação dos sistemas do telescópio Keck e Very Large para medir o movimento das estrelas e descobrir que o núcleo da galáxia estava quase formado. As descobertas "não estão muito longe" do que computadores poderiam prever, mas é o suficiente para forçar os astrônomos a repensarem sobre esses modelos e ajustarem sua compreensão dos primeiros dias do universo.

Os pesquisadores esperam que o próximo Telescópio Espacial James Webb forneça mais detalhes e ajude a encontrar mais galáxias "regulares", não apenas exemplos extremos. Seus dados poderiam determinar se essa galáxia moribunda era a exceção à regra ou apenas uma dentre muitas.

 
Pesquisa estudo Estrelas Telescópio Galáxia universo cientistas ciências pesquisadores big bang
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você