Cinema e Streaming

Woody Allen

Guia para a filmografia de Woody Allen (parte 2)

Sergio Alpendre, editado por Cesar Schaeffer 29/11/2019 10h11
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Conheça o lado do diretor que combina a comédia e o romance

Parte 2: O comediante romântico


Que fique bem entendido: não é uma comédia romântica como, por exemplo, Apenas Amigos, com Amy Smart e Ryan Reynolds, ou Quatro Casamentos e um Funeral.

As comédias românticas de Woody Allen, inauguradas com o seminal Noivo Neurótico Noiva Nervosa (1977), são intelectuais, cheias de citações e questões filosóficas, ambientadas normalmente numa Nova York idílica como a que vemos em Um Dia de Chuva em Nova York, seu último longa.

(em ordem cronológica)

Noivo Neurótico Noiva Nervosa (1977)

Após o menos bem-sucedido A Última Noite de Boris Grushenko (1975), Allen sentiu a necessidade de se reciclar. Pegou o tom de Sonhos de um Sedutor (1972), que Herbert Ross dirigiu habilidosamente a partir de um texto de Allen (que também é o protagonista, junto com Diane Keaton), e acrescentou um pouco mais de filosofia. O resultado é este filme inaugural do mundo Allen.

Manhattan (1979)

Em Noivo Neurótico, Allen trabalhou pela primeira vez com o diretor de fotografia Gordon Willis (de O Poderoso Chefão 1 e 2). Segundo o próprio Allen, foi com Willis que ele aprendeu a filmar. A partir daí, um drama tateante serviria para aprimorar um estilo, que desabrocha por completo nesta que é a sua primeira obra-prima.

A Rosa Púrpura do Cairo (1985)

O melhor filme da fase Mia Farrow (1982-1992) é Zelig, ou Hannah e Suas Irmãs, ou A Outra, três das obras-primas do diretor. Mas este é o mais fantástico, com uma história onírica em que um grande astro do cinema clássico americano sai da tela e se envolve com uma fã. Um filme agridoce e delicioso.

Tudo Pode Dar Certo (2009)

As comédias românticas de Woody Allen não são necessariamente palatáveis para um grande público, como ficou claro na introdução. Esta é uma das mais difíceis, pois envolve frustração, incompatibilidade, tentativa de suicídio. Mas é também de um brilhantismo no texto, e de uma felicidade com o irregular comediante Larry David (que acerta em cheio na parceria nunca mais repetida com Allen), que pede revisão.

Magia ao Luar (2014)

Magia ao Luar, por outro lado, é uma das mais deliciosas. A química entre Emma Stone e Colin Firth funciona, surpreendentemente, e o filme é simplesmente o melhor Allen da década, batendo até o favorito de muitos, Café Society.

Filmes Cinema Filmes&Series woody allen
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você