Ano de nascimento afeta vulnerabilidade à gripe, diz estudo

Subtipos da doença com a qual uma pessoa tem contato desde cedo afetam todo o seu sistema imunológico

Guilherme Preta, editado por Matheus Luque 03/02/2020 09h31
Gripe
A A A

Quando chega a temporada da gripe, é fácil achar pessoas que ficam muito doentes e outras que têm contato com essas e não sofrem com a doença. Essa diferença de vulnerabilidade ao vírus pode ser consequência do ano de nascimento de cada um. É isso que afirma uma pesquisa recente da Universidade McMaster. O subtipo da enfermidade com a qual uma pessoa tem contato desde cedo afeta todo o seu sistema imunológico.


Normalmente, os dois tipos de influenza A, H1N1 e H3N2, se revezam, com um circulando em uma temporada e outro na seguinte. Desta forma, diferentes pessoas teriam contato inicialmente com o primeiro e outras com o segundo. Porém, na temporada da gripe 2018/2019, ambos ocorreram em diferentes pontos do período. Essa anomalia permitiu que os pesquisadores aproveitassem a oportunidade para se aprofundarem na noção de impressão antigênica.

Reprodução

Os pesquisadores coletaram dados e investigaram a relação entre a idade e, portanto, o subtipo que provavelmente foram expostos pela primeira vez, e sua vulnerabilidade ao H1N1 e H3N2. "Já sabíamos em nossos estudos anteriores que a suscetibilidade a subtipos específicos de influenza pode estar associada ao ano de nascimento, mas este novo estudo vai muito além no apoio à impressão antigênica", afirmou Alain Gagnon, principal autor do estudo.

"Em vez de apenas mostrar como padrões etários específicos estão associados a um subtipo ou outro durante uma única temporada de gripe, aproveitamos um experimento natural único para mostrar como a mudança no domínio do subtipo durante uma temporada parece levar a uma mudança na suscetibilidade por idade", continuou Gagnon. Esta mudança pode ser valiosa para autoridades de saúde pública que se preparam para epidemias. Com esse conhecimento, é possível determinar qual dado demográfico corre maior risco, dependendo do subtipo que circula na época.

"A imunidade prévia das pessoas à vírus como gripe ou mesmo o coronavírus pode ter um tremendo impacto sobre o risco de adoecer durante epidemias e pandemias subsequentes", afirmou Matthew Miller, co-autor do estudo. "Compreender como sua imunidade anterior os deixa protegidos ou suscetíveis é realmente importante para nos ajudar a identificar as populações que estão em maior risco durante epidemias sazonais e novos surtos", concluiu.

Via: New Atlas


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



Saúde Ciência estudo gripe coronavirus
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!

Recomendados pra você