Estudo britânico reforça que anticorpos de Covid-19 podem durar só três meses

Pesquisa ainda não revisada indica pico de anticorpos após três semanas do início dos sintomas e queda a partir de então

Renato Santino 13/07/2020 15h25
Chineses afirmam ter encontrado anticorpo eficaz contra coronavírus
A A A

A questão de imunidade de longo prazo da Covid-19 continua um mistério, e nesta segunda-feira (13) um novo estudo trouxe novas questões sobre o assunto. Pesquisadores britânicos acompanharam 90 pacientes com a doença para entender como seus sistemas imunológicos se comportam com o tempo, e perceberam que os anticorpos protetores contra o vírus podem desaparecer em questão de poucos meses.


Segundo a pesquisa, que ainda não foi publicada ou revisada por outros cientistas, os pacientes viram um pico de anticorpos imunizantes após um período de três semanas depois do aparecimento dos sintomas; a partir de então, os níveis passaram a cair progressivamente, tornando-se indetectáveis em alguns dos casos acompanhados em questão de três meses.

O estudo percebeu que 60% dos pacientes desenvolveram uma resposta imunológica potente enquanto seus organismos combatiam o vírus, mas apenas 17% dos pacientes mantiveram esses anticorpos com o passar dos meses, como relata o jornal The Guardian.

Os pesquisadores também perceberam que os níveis de anticorpos foram mais altos entre aqueles que desenvolveram formas mais severas da Covid-19, durando também mais tempo no organismo. Isso pode ser explicado pela maior presença do vírus do corpo, forçando o sistema imunológico a produzir mais anticorpos para combatê-lo.

Isso significa que essas pessoas estão totalmente desprotegidas após algum tempo? Não necessariamente. O corpo tem outras formas de combater uma infecção, mesmo que os anticorpos já tenham desaparecido da corrente sanguínea. A imunidade celular, vista por meio das células T, pode proteger o corpo mesmo depois que os anticorpos vão embora, o que explicaria o fato de não termos casos comuns de reinfecção nestes meses em que o vírus circula pelo mundo.

A pesquisa britânica, apesar de pequena, corrobora outros estudos similares no mundo que apontam basicamente a mesma coisa: depois de pouco tempo, os anticorpos começam a desaparecer da corrente sanguínea. Um exemplo de estudo com resultado similar veio da China, notando queda drástica em níveis de anticorpos com o tempo.

O que o estudo faz é trazer mais uma luz para pesquisas de vacinas. Se a doença não for capaz de produzir anticorpos duradouros contra o vírus e o organismo for dependente de outras formas de defesa, uma vacina pode não ser eficaz se seu foco for estimular a produção de anticorpos. Por este motivo, pesquisas também têm analisado a possibilidade de estimular as células T em vacinas.

Os pesquisadores também concluem que é arriscado apostar em estratégias como a imunidade "de rebanho" para combater o coronavírus, já que não se sabe com clareza o quão protegidos estão aqueles que já se curaram da Covid-19.


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



coronavirus covid19
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você