Fabricante promete 1,3 bilhão de doses de vacina para países pobres

Atualmente a mais promissora entre as vacinas que estão sendo desenvolvidas para combater a Covid-19, a AstraZeneca/Oxford tem previsão de disponibilidade para setembro

Renato Mota 04/06/2020 16h06
Oxford prevê concluir vacina contra Covid-19 até agosto
A A A

A farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou que dobrou sua capacidade de fabricação de uma vacina em potencial contra o novo coronavírus para 2 bilhões de doses – e acordou em fornecer mais da metade delas a países pobres ou em desenvolvimento. A empresa diz que concordou em fornecer essas doses a custo e não terá lucro.


Os acordos foram feitos com o grupo de resposta a epidemias Cepi (Coalition for Epidemic Preparedness Innovations) e a aliança de vacinas Gavi (Global Alliance for Vaccines and Immunization) e são apoiados pela Organização Mundial da Saúde. O objetivo é responder às críticas de que a empresa estaria comprometendo todos os suprimentos iniciais da vacina aos países mais ricos.

A vacina, que está sendo desenvolvida em parceria com pesquisadores da Universidade de Oxford, já tem 300 milhões de doses prometidas para o governo dos Estados Unidos e outras 100 milhões para o Reino Unido. A entrega está prevista para começar entre setembro e outubro. Esses dois acordos levantaram preocupações de que os países ricos possam tentar monopolizar o fornecimento de vacinas e tratamentos vitais para a Covid-19.

"Nosso objetivo não é deixar ninguém para trás, e continuaremos trabalhando duro para garantir que esta vacina esteja rápida e amplamente disponível para todos em todo o mundo", disse Pascal Soirot, CEO da AstraZeneca, em entrevista coletiva.

Cepi e Gavi, que contam com apoio da fundação criada por Bill Gates, gastarão US$ 750 milhões para permitir que 300 milhões de doses da vacina sejam produzidas e distribuídas em locais mais carentes já no fim do ano.

Em outro acordo, separado, o Serum Institute of India, uma empresa privada na Índia que fabrica vacinas, negociou um acordo de licenciamento para produzir 1 bilhão de doses para a Índia e outros países de baixa renda - com 400 milhões de doses a serem entregues até o final do ano.

A vacina AstraZeneca/ Oxford é considerada uma das mais promissoras. Atualmente está no estágio mais avançado dos ensaios clínicos, e é baseada em uma vacina semelhante que os pesquisadores de Oxford desenvolveram para tratar outro coronavírus, que causa Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers).

O Brasil irá participar dos testes para esta vacina. Serão dois mil voluntários, metade em São Paulo e metade no Rio de Janeiro, e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) será responsável por coordenar o ensaio clínico.

Via: Fortune/Reuters


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



vacina coronavirus covid19
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!.

Recomendados pra você