Pfizer e BioNTech devem solicitar aprovação emergencial da vacina nesta sexta

Pedido será feito a autoridades dos EUA, e também na Austrália, Canadá, Japão e Reino Unido; expectativa é começar a vacinar a população mais vulnerável já em dezembro

Rafael Rigues 20/11/2020 12h11
vacina pfizer
A A A

A Pfizer e a BioNTech, duas das empresas que estão desenvolvendo vacinas contra o vírus Sars-Cov-2, causador da Covid-19, anunciaram que irão entrar nesta sexta-feira (20) com um pedido junto à Food and Drug Administration (FDA, agência que controla a indústria farmacêutica nos EUA) de aprovação para o uso de sua vacina em caráter emergencial.


O mesmo pedido, baseado em resultados que mostram que a eficácia da vacina é de 95%, está sendo feito às autoridades da Austrália, Canadá, Japão e Reino Unido. Segundo as empresas a autorização possibilitaria o uso da vacina em populações de alto-risco nos EUA até o final de dezembro de 2020.

A vacina da Pfizer e BioNTech é baseada em mRNA, e instrui o organismo do paciente a produzir proteínas específicas que bloqueiam a habilidade do vírus de se ligar às células do organismo. Ela foi submetida a uma terceira fase de estudos com mais de 40 mil pacientes em todo o mundo, incluindo o Brasil.

Dados sobre 170 casos confirmados de Covid-19 entre os participantes estão sendo enviados à FDA, além de dados solicitados ativamente a outros 8 mil pacientes e coletados passivamente de mais 38 mil. O pedido também inclui dados de 100 crianças entre 12 e 15 anos de idade que foram vacinadas.

Reprodução

Detalhe da estrutura do vírus Sars-Cov-2, ilustrada pela Visual Science. Imagem: Visual Science / Reprodução

Eficaz para todos

Segundo as empresas, 42% da população global de voluntários que participaram da terceira fase do estudo, e 30% dos participantes nos EUA, é "racial e etnicamente diversa". Globalmente 41% dos participantes tem entre 56 e 85 anos de idade, percentual que nos EUA sobe para 45%. Até o momento não há nenhuma preocupação séria sobre a segurança da vacina.

"O pedido de autorização para uso emergencial nos EUA é um passo crítico para tornar nossa candidata à vacina disponível para a população mundial o mais rápido possível", diz Ugur Sahin, CEO e co-fundador da BioNTech. "Continuaremos trabalhando com agências regulatórias em todo o mundo para possibilitar a rápida distribuição global de nossa vacina".

Vale lembrar que as primeiras doses de qualquer vacina que chegar ao mercado provavelmente serão reservadas a população de risco, como idosos e trabalhadores de saúde, e que qualquer campanha de vacinação em larga escala só deve ocorrer em meados de 2021. Até lá, a prevenção continua sendo a melhor opção.


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



vacinação vacina coronavirus covid19 Pfizer
Assinar newsletter
Assine nossas newsletters e receba conteúdos em primeira mão
enviando dados - aguarde...
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!.

Recomendados pra você