Tipo sanguíneo pode determinar suscetibilidade ao coronavírus

Fatores como idade e doenças preexistentes influenciam o contágio, mas a genética pode explicar por que algumas pessoas têm sintomas mais fortes do que outras

Nina Gattis, editado por Liliane Nakagawa 08/06/2020 16h40
DNA e coronavírus
A A A

Em busca de desvendar o mistério sobre o porquê de algumas pessoas não apresentarem sintomas quando infectadas pelo coronavírus, a empresa de testes genéticos 23andMe descobriu que diferenças nos genes podem influenciar a suscetibilidade de uma pessoa à Covid-19.


O estudo começou com base em uma questão central: como que alguns infectados são assintomáticos, enquanto outros ficam gravemente doentes, podendo, inclusive, chegar à morte? Para encontrar a resposta, a empresa começou, em abril, uma pesquisa com os milhões de perfis em seu banco de dados de DNA.

Agora, com os resultados preliminares de mais de 750 mil participantes, o estudo sugere que o sangue tipo O é o menos suscetível ao coronavírus. Do total, 10 mil revelaram à 23andMe que estavam com a Covid-19.

E a 23andMe não é a única empresa a buscar respostas nos genomas humanos: a Ancestry, que opera uma rede de registros genealógicos, também está tentando entender o vírus por meio do DNA. Além disso, uma pesquisa analisou os genes de mais de 1.600 infectados na Itália e na Espanha que sofreram insuficiência respiratória. O resultado mostrou que o sangue tipo A estava associado a um aumento de 50% das chances de um paciente precisar da ajuda de um respirador.

Reprodução

Teste sanguíneo para coronavírus. Imagem: iStock

O estudo da 23andMe constatou que pessoas com o sangue tipo O têm entre 9% e 18% menos chances de testarem positivo para o coronavírus. Ainda assim, houve pouca diferença na suscetibilidade entre os outros tipos sanguíneos. Fatores como idade, doenças pré-existentes e alta probabilidade de exposição ao vírus não afetaram os resultados desta pesquisa especificamente.

"Ainda é cedo; mesmo com esses tamanhos de amostra, pode não ser suficiente encontrar associações genéticas", explicou Auton. "Não somos o único grupo a analisar isso e, finalmente, a comunidade científica pode precisar reunir seus recursos para realmente resolver questões que envolvem os vínculos entre a genética e o Covid-19", acrescentou.

Vale lembrar, no entanto, que idade, condições de saúde e exposição são fatores determinantes confirmados, mas que isoladamente não explicam a diversidade de sintomas - ou falta deles - e por que algumas pessoas são infectadas e outras não. Portanto, o estudo da genética pode ajudar a identificar e proteger quem corre maiores riscos, além de acelerar o desenvolvimento de prevenções e tratamentos.

 

Via: Bloomberg


Confira em tempo real a COVID-19 no Brasil:



dna genética genomas coronavirus covid19 infectados
Assinar newsletter
Assine nossas newsletters e receba conteúdos em primeira mão
enviando dados - aguarde...
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!.

Recomendados pra você