Facebook é rede social mais usada para golpes de phishing

A maioria dos golpes de phishing em redes sociais realizados no primeiro trimestre de 2018 vieram de sites falsos que fingiam ser o Facebook. É isso o que indica um estudo divulgado pela empresa de segurança Kaspersky, que avaliou ataques que foram barrados pela tecnologia antiphishing desenvolvida pela companhia. Os brasileiros também foram as maiores vítimas desse tipo de golpe no período.

As tentativas de cibercriminosos de roubar dados de usuários da internet a partir de redes sociais usaram principalmente versões fraudulentas do Facebook para enganar potenciais vítimas - 60% dos casos envolviam a plataforma de Mark Zuckerberg. A rede social russa Vkontakte aparece na segunda posição com 21%, enquanto o LinkedIn ocupa a terceira com 13% dos casos.

Ataques de phishing com páginas fraudulentas criam uma "cópia" do Facebook e pede para o usuário inserir uma série de informações. Como a página parece legítima visualmente, muitos usuários desavisados acabam sendo vítimas desses golpes, que podem roubar, além das credenciais de acesso da rede social, dados como número de cartão de crédito, códigos PIN e mais.

Apesar do Facebook ter se destacado quando o assunto é rede social, os principais alvos de golpes de phishing continuam sendo instituições do setor financeiro, incluindo bancos, serviços de pagamento e lojas virtuais. Quase metade dos ataques feitos no primeiro trimestre do ano foram para roubar informações de usuários nesses serviços.

Os usuários brasileiros foram as principais vítimas dos golpes de phishing no período - 19% dos ataques atingiram pessoas no Brasil. Argentina, Venezuela, Albânia e Bolívia aparecem nas posiões seguintes.

O Natal está chegando. Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ