99

Golpistas usam brecha na 99 e fraudam corridas com GPS falso e cartão clonado

Renato Santino
Compartilhe com seus seguidores
A A A

O algoritmo simplório da 99 para parear passageiros e motoristas se tornou uma vulnerabilidade amplamente explorada por golpistas. O método de ataque usa vários elementos que visam explorar o sistema de descontos do app, utilizando também cartões de crédito clonados e informações de GPS falsificadas.

A descoberta foi feita pelo jornal paranaense Gazeta do Povo, que relata um esquema no qual o motorista se cadastra no aplicativo com más intenções e usa a brecha no algoritmo para ser chamado sempre pelo mesmo passageiro, que também faz parte do esquema, que usa esses métodos irregulares de pagamento para faturar.

O problema todo gira em torno do fato de que o 99 utiliza apenas o critério de proximidade na hora de definir qual motorista pega uma corrida. Ou seja: se você estiver perto de um carro da 99, aquele será o condutor que será selecionado pelo sistema. Isso permite que duas pessoas com más intenções possam agir em conjunto. Na Uber, o algoritmo é mais complexo, levando em conta também o tempo que um motorista está com o aplicativo aberto, o que torna a distribuição de corridas bastante aleatória e dificulta golpes do tipo.

Uma das técnicas usadas para abusar do algoritmo reside no sistema de descontos do aplicativo. A primeira corrida realizada por um usuário no aplicativo, por exemplo, costuma ser grátis até um valor pré-determinado de R$ 15; o passageiro não paga nada se o custo final estiver dentro desse preço, mas o motorista recebe o dinheiro normalmente, que sai direto do bolso da 99. No entanto, quando você tem vários chips de celular, você consegue criar infinitas contas para realizar “primeiras corridas” grátis, com a 99 arcando com o prejuízo.

O golpe também tem outras facetas. Os golpistas também utilizam cartões de crédito clonados vendidos em grupos no Facebook, que são cadastrados no PayPal para pagar por corridas. Além disso, a 99 também oferece incentivos para os motoristas ocasionalmente, como na Páscoa, quando prometeu R$ 600 a quem completasse 99 corridas; fazendo várias viagens falsas, o número é mais fácil de ser alcançado.

Para completar, também há quem utilize a técnica de falsificar o sinal de GPS para realizar o golpe sem precisar sair do lugar. Existem aplicativos aos montes no Google Play que permitem modificar as informações de GPS do celular; se tanto o motorista quanto o passageiro sincronizarem esses dados falsos e simularem um deslocamento, a 99 entende que os dois estão indo juntos para o mesmo lugar e computa a corrida normalmente, mesmo que nenhum dos dois tenha dado sequer um único passo. Desta forma, não há nem o gasto de combustível.

Quando contatada pela Gazeta do Povo, a 99 emitiu o seguinte comunicado: “Temos processo contínuo de inteligência que identifica comportamentos atípicos e, quando constatado abuso pelo usuário da plataforma, realiza o bloqueio da conta de passageiro ou motorista. Além disso, encorajamos que usuários e parceiros motoristas que denunciem casos de abuso através do telefone 0300 3132 421.”

Aplicativos transporte Crimes digitais cibercrime uber
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.
Recomendados pra você