Acessar o banco online é seguro, mas depende do seu comportamento

Quando o assunto é internet banking, nós brasileiros temos do que nos orgulhar. As instituições financeiras instaladas no país possuem sistemas online de autoatendimento eficientes e com nível extremamente alto de segurança. Isso porque os softwares e aplicativos desenvolvidos para bancos, empresas de cartões de crédito e até seguradoras são obrigados a seguir as exigentes políticas de segurança elaboradas pelo PCI Security Compliance Council, um fórum aberto global que determina padrões de segurança para a proteção de dados de contas. O processo de homologação dessas ferramentas é bastante criterioso, longo e custoso.

Atualmente, as agências bancárias são responsáveis por apenas 16% dos atendimentos no Brasil. A maioria da população bancarizada já sabe que fila é coisa do passado. É muito mais fácil resolver tudo pela internet ou pelo celular. No ano passado, segundo uma pesquisa da Febraban, as transações por celular chegaram perto de 22 bilhões de operações – um crescimento de 96% em relação a 2015.

Para garantir esse nível elevado de segurança, os sistemas bancários online usam uma série de artifícios e tecnologias como navegadores específicos oferecidos pelos próprios bancos, criptografia forte, tempo de conexão limitado, teclado virtual, autenticação por senha e token e ainda possuem equipes de monitoramento que atuam 24 horas por dia para combater suspeitas ou tentativas de invasão.

Apesar de todo investimento e segurança, problemas ainda são recorrentes. Não por causa dos bancos ou seus sistemas, mas pelo outro elo dessa corrente: o usuário. Falta de informação e comportamento inadequado faz com que muitos brasileiros ainda sejam vítimas de fraudes que envolvem os sistemas bancários. Se os cybercriminosos não conseguem invadir os bancos, eles se decidam a roubar informações verdadeiras dos clientes para acessar suas contas e, aí sim, causar estrago.

Em 2016, o Brasil amargou o primeiro lugar em ataques de phishing em todo o mundo. Nesse tipo de ataque, a ideia é fisgar o usuário desatento e desprotegido. O golpe pode ser difundido de diversas formas: e-mail, mensagens de texto, whatsapp, sites falsos... tudo que possa levar o usuário a clicar em links maliciosos. O objetivo é um só; roubar senhas ou informações pessoais ou confidenciais.

Dicas básicas e fáceis podem evitar muita dor de cabeça na hora de usar seu internet banking. A gente separou as principais: verifique sempre o endereço do site do banco antes de utilizá-lo. É comum a criação de sites falsos de banco que parecem bastante as páginas oficiais; cuidado com e-mails falsos em nome do banco – a ideia também é roubar suas informações. Estas mensagens costumam trazer erros de ortografia, formatação irregular e tudo para te convencer.

Não custa reforçar: nunca forneça sua senha de internet e assinatura eletrônica para ninguém; e, por último, evite acessar seus serviços bancários de redes Wi-Fi públicas ou computadores compartilhados.

Todo cuidado é pouco. Lembre-se a maior vulnerabilidade dos softwares e aplicativos de banco online está do lado do usuário. Claro, nada é 100% seguro no mundo da tecnologia, mas com boas precauções e hábitos inteligentes, tenha certeza, usar o internet banking é mais eficiente, mais rápido e até mais seguro do que ir até uma agência bancária. Se você quiser mais dicas de segurança na hora de acessar o banco, a gente separou o link de uma cartilha de segurança elaborada pelo Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil do Nic.br. Confira!

Cartilha de segurança para a Internet - Internet Banking

A BlackFriday está chegando. Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.


RECOMENDADO PARA VOCÊ