Entenda e conheça as técnicas do cibercrime que ameaçam nossa vida digital

Alerta geral! A internet sob ameaça. A última onda de ataques colocou em risco a segurança de milhões de usuários de todo o mundo. O Brasil, que parecia estar longe dos problemas, também teve problemas. E, pior, especialistas afirmar que o país corre sério risco de sofrer um apagão digital. Já imaginou o caos?

Mais de 99 países foram vítimas do ransomware “WannaCry 2.0” – esse é apenas um dos “apelidos” do novo ataque. Grandes empresas, órgãos públicos e hospitais em diferentes partes do mundo sofreram as consequências do malware. Se você ainda não ouviu falar, ransomware é um tipo de vírus que, ao invadir uma máquina – ou até uma rede inteira – é capaz de sequestrar e criptografar arquivos e até o próprio dispositivo em si. Com o poder de uma senha, os criminosos exigem o pagamento de um resgate para devolver o acesso ao equipamento. Smartphones desprotegidos também já são vítimas desse tipo de ataque. O pior é que nem sempre o pagamento resulta na recuperação do equipamento.

Para driblar as autoridades, os resgates são exigidos em Bitcoins. Uma análise das carteiras da moeda virtual usadas para a receptação do dinheiro revela que 60 mil dólares – mais de 185 mil reais – foram arrecadados com resgates. O vírus solicitava um mínimo de 300 dólares por PC; fazendo contas rápidas, isso indica que cerca de 200 pessoas teriam pago para recuperar suas máquinas e arquivos.

Normalmente, a infecção pelo ransomware acontece quando o usuário abre um anexo de e-mail ou acessa um site que ativa o ataque por meio de um link malicioso. Mas no caso deste último ataque, analistas afirmam que o vírus era capaz de utilizar dois códigos desenvolvidos pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos. Um deles permitia que o vírus se espalhasse automaticamente de uma máquina para outra se o computador estivesse rodando o Windows 7 ou Windows Server 2008 sem as devidas correções da Microsoft de março. Em outras versões do Windows, o malware não funciona. O perigo é que a vulnerabilidade atinge também o Windows XP e, inclusive, o Windows 10. Ou seja, uma versão atualizada do vírus poderia, sim, atacar todos esses sistemas desatualizados. Sem perder mais tempo, a ordem do momento é atualizar o Windows o mais rapidamente possível.

Mas não é só de ransomware e seus “sequestros virtuais” que vive o cybercrime. Outro tipo de ataque – este já mais conhecido, mas que ganhou novas proporções graças à Internet das Coisas – é o DDoS; ou Ataque de Negação de Serviço. Pouco tempo atrás, um ataque desse tipo afetou milhões de internautas ao tirar do ar serviços gigantes como Twitter, Spotify e Reddit nos Estados Unidos. Os ataques DDoS “sequestram” uma série de computadores desprotegidos e programam todos para acessarem um mesmo serviço simultaneamente. Com milhões de máquinas infectadas, normalmente o sucesso é garantido.

Até pouco tempo atrás, apenas computadores eram usados para esse tipo de ataque. Um vírus “invisível” fazia com que a máquina contribuísse para o crime mesmo sem que o usuário percebesse. A diferença e evolução, se assim podemos chamar, deste último caso é que os dispositivos sequestrados para acessarem os servidores foram câmeras conectadas e, claro, desprotegidas. O número de dispositivos conectados sequestrados para orquestrar o ataque foi grande o suficiente para tirar os servidores do ar. É isso mesmo que você está imaginando e a gente inclusive já discutiu por aqui: a internet das coisas ainda é um perigo para a segurança digital. Quanto mais dispositivos conectados na rede, se eles não estiverem devidamente protegidos com senhas fortes e filtros, maior a vulnerabilidade da rede a ataques DDoS.

Diversos ataques deixam explícito que os criminosos aproveitam brechas de segurança deixadas pelos próprios usuários finais ou empresas para realizarem seus ataques: são dispositivos com acesso à internet não guardados por senhas ou “protegidos” por códigos de acesso extremamente simples ou padronizados, como “admin” ou “123456”, por exemplo. Mesmo com diversos recursos de proteção, soluções de segurança não conseguem evitar um ataque dessa grandeza.

Se cabe mais um nome nessa lista de ataques, saiba que segundo um estudo do Gartner, 95% de todos esses ataques digitais começam por phishing. É muita gente enganada diariamente em todo o mundo. No phishing, a ideia é “pescar” o usuário desatento e desprotegido. São muitas as formas que esse golpe pode chegar até você: e-mail, mensagens de texto, whatsapp, sites falsos e mais uma série de formas para levar o usuário a clicar em links maliciosos. O objetivo é um só; roubar senhas ou informações pessoais ou confidenciais.

Apesar do cenário e dos últimos super ataques, não há motivo para ter medo ou se desesperar. É preciso estar atento. Mais do que isso, mantenha seu computador e os softwares sempre atualizados; use senhas fortes que combinem letras, números e símbolos e todos seus dispositivos com acesso à internet e, para não ser fisgado, preste atenção, desconfie e tenha cuidado na hora de abrir arquivos desconhecidos ou clicar em links suspeitos. Uma solução de segurança também é indispensável. Fique seguro!

Vai às compras na BlackFriday? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.


RECOMENDADO PARA VOCÊ