Games e Consoles

starcraft 2

Inteligência artificial do Google 'atropela' jogadores humanos em StarCraft 2

Renato Santino 28/01/2019 20h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

A DeepMind, empresa subsidiária do Google, ganhou renome depois de se tornar capaz de atropelar os melhores jogadores de Go com sua inteligência artificial. Agora, a companhia demonstrou sua capacidade em outra modalidade ao derrotar de forma categórica jogadores profissionais de Starcraft 2 por um placar acachapante de 10 a 1.

Chamada de AlphaStar, a inteligência artificial foi treinada com base em um sistema de aprendizado no qual o sistema “pega o jeito” do jogo com base na tentativa e erro e, aos poucos, consegue desenvolver suas próprias técnicas para vencer partidas. Inicialmente, o sistema é alimentado com informações sobre como os humanos jogam que servem como um referencial básico, e, com o treinamento, o sistema vai ficando mais eficiente na detecção de padrões e desenvolvimento de soluções.

Segundo a DeepMind, o sistema da AlphaStar enfrenta várias versões de si mesmo para ir melhorando com o tempo, e as versões que são consideradas menos competentes acabam descartadas, fazendo com que os sistemas mais eficientes se enfrentem e colaborando para a melhoria da inteligência artificial. Assim, a empresa disse ter conseguido acumular cerca de 200 anos de experiência de jogo.

Durante a transmissão das partidas, os comentaristas demonstraram empolgação com o que a inteligência artificial foi capaz de fazer, com capacidades descritas como “super-humanas”, especialmente no que tange à capacidade de gerenciamento rápido de tropas, o que é conhecido como “micro”.

No entanto, é importante notar que a AlphaStar enxerga o jogo de uma forma diferente de um humano. O algoritmo é capaz de ter uma visão ampla do mapa, enquanto o jogador humano só vê o que está na sua tela. A DeepMind diz que isso não afeta o jogo, no entanto. A empresa diz que ainda que a máquina consiga ter uma visão geral do mapa que não é permitida a humanos, as ações só são realizadas em áreas específicas, simulando a restrição aos jogadores comuns. A inteligência artificial também teve seu índice de APM (ações por minuto) restrito para simular a capacidade de um jogador profissional.

Apesar das declarações da DeepMind de que seus sistemas não contam com vantagens práticas sobre um jogador humano, foi observado que em determinados momentos, a máquina estava realizando ações em três partes do mapa simultaneamente, o que simplesmente não é possível para um jogador humano. 

O desenvolvimento de uma inteligência artificial que domina StarCraft 2 é sinal da evolução que a tecnologia vem apresentando. Criar um algoritmo que vença humanos em Go é algo impressionante pela complexidade do jogo, mas um jogo de estratégia em tempo real possui alguns componentes que tornam a tarefa muito mais complexa. Enquanto em um jogo de tabuleiro todas as peças estão visíveis diante dos olhos dos jogadores, em StarCraft, a estratégia do adversário fica oculta na maior parte do tempo, forçando a inteligência artificial a se adaptar e tomar decisões em tempo real.

Também é importante observar que o objetivo da DeepMind com sua tecnologia não é humilhar humanos em jogos de tabuleiro ou eletrônicos, mas sim construir uma inteligência artificial avançada com múltiplas capacidades, capaz de realizar qualquer tarefa mental que um humano consegue, o que pode ter benefícios, por exemplo, para saúde. “Para fazer isso, é importante testar nossos agentes em uma vasta gama de tarefas”, explica Oriol Vinyals, um dos líderes do projeto da AlphaStar.

Google Inteligência Artificial Blizzard
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você