Aquecimento global eleva risco de ondas de calor marinhas, diz estudo

Pesquisa indica que mudanças climáticas induzidas pelo homem aumentaram em 20 vezes as chances de ocorrências de grandes manchas de calor no oceano

Victor Pinheiro 24/09/2020 21h25
Ondas de calor marinhas
A A A

Em 2013, uma onda de calor atingiu o Oceano Pacífico e dizimou parte da vida marinha na costa da América do Norte. Cientistas estimam que o evento provocou a morte milhares de aves, peixes e mamíferos, além de ter comprometido a atividade pesqueira na região. Um novo estudo, da Universidade de Bern, na Suíça, agora sugere que anomalias como essa podem ser mais comuns em consequência das mudanças climáticas provocadas pelo homem.


Os autores analisaram registros de ondas de calor marinhas identificadas entre 1981 e 2017 e selecionaram os principais eventos de acordo com os critérios mínimos de 40 dias de duração, extensão de 1,5 milhão km² e variação de temperatura de 5 °C.

O estudo ainda separou as sete maiores ondas de calor mapeadas e calculou a probabilidade de eventos semelhantes ocorrerem com e sem os efeitos do aquecimento global. Os resultados indicaram que as mudanças climáticas induzidas pelo homem aumentaram em 20 vezes as chances do surgimento de novas anomalias.

Segundo os pesquisadores, antes do impacto humano na temperatura do planeta, grandes ondas de calor marítimas, como a ocorrida em 2013, aconteciam apenas uma vez em algumas centenas de anos. A investigação sugere, no entanto, que um aumento de 3 °C, na temperatura do planeta poderia induzir a ocorrência desses eventos anualmente.

Reprodução

Ondas de calor que se propagaram no Pacífico entre 2013 e 2016 dizimaram populações de uma série de espécies de peixes, entre elas o salmão-prateado. Imagem: US Bureau of Land Management/Reprodução Nasa

As estimativas, no entanto, podem não se confirmarse a variação da temperatura do planeta for estabilizada. Neste caso, os oceanos poderiam absorver e redistribuir o calor com o tempo. O aumento da frequência das anomalias poderia levar “organismos e ecossistemas marinhos além de seus limites térmicos e de tolerância ao estresse, o que poderia causar mudanças irreversíveis”, alertam os cientistas, em artigo publicado na revista Science.

Impacto

O estudo aponta ainda que as ondas de calor provocam uma enorme e contínua mudança na cadeia alimentar de regiões afetadas, com a redução da presença de plânctons ricos em nutrientes e proliferação de zooplânctons gelatinosos pobres em recursos nutritivos. Isso deve causar impactos não só na vida marinha, mas também nas atividades de pessoas que dependem dos oceanos para obter renda e sustento.

"Para manter a existência de ecossistemas marinhos resilientes e produtivos e para evitar que muitas regiões oceânicas atinjam um estado de ondas de calor contínuas e severas, o aquecimento global precisa ser severamente limitado", afirmam os autores.

Via: ScienceAlert

Aquecimento global meio ambiente mudanças climáticas mudança climática
Assinar newsletter
Assine nossas newsletters e receba conteúdos em primeira mão
enviando dados - aguarde...
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!

Recomendados pra você