Aves 'policiais' encontram navios de pesca ilegais

Animais marcados com chips podem retransmitir o sinal dos barcos que tentam se esconder em alto mar

Vinicius Szafran, editado por Liliane Nakagawa 28/01/2020 18h01
Albatroz espião
A A A

Às vezes, navios de pesca 'desaparecem'. O motivo? Capitães desligam os radares que transmitem sua localização, deixando os reguladores se perguntando se os barcos estão pescando ilegalmente. Agora, pesquisadores descobriram que albatrozes portando pequenos chips detectores podem ajudar a localizar esses navios suspeitos - mesmo em alto mar.


Após um estudo de seis meses com grandes aves marinhas, os cientistas estimam que mais de um terço dos navios no sul do Oceano Índico estão navegando disfarçadamente, confirmando as preocupações com a pesca ilegal ou não declarada.

Nesse sentido, o patrumento de aves marinhas pode ajudar a revelar áreas de pesca que devem ser mais fiscalizadas. A estratégia também pode ajudar os albatrozes, que podem ser mortos quando pegos acidentalmente por equipamentos de pesca ou quando engolem anzóis com isca.

Reprodução

A pesca ilegal é uma grandes preocupações para biólogos da conservação, especialmente em áreas remotas. Na década passada, cientistas estudaram o problema com dados de sistemas de identificação automática (AISs) em navios, que incluem faróis que enviam sua identidade, localização, direção e velocidade aos satélites constantemente. Os dados foram transformados em mapas em tempo real do tráfego marítimo, dando aos capitães uma imagem maior do que a fornecida apenas pelo radar de bordo do navio.

Para evitar acidentes, os navios com 20 metros ou mais devem possuir transponders AIS, sistema que também é encontrado em muitas embarcações menores. No entanto, esses dispositivos podem ser desativados, estando ou não a 320 quilômetros da costa - áreas denominadas zonas econômicas exclusivas (ZEE) das nações. A prática, que é ilegal, é suspeita quando a pesca acontece em áreas ilegais ou quando se quer impedir que concorrentes descubram áreas consideradas de boa captura.

Entretando, mesmo quando desativados, os albatrozes podem ajudar a detectar tais embarcações, trabalhando como verdadeiros espiões. As aves, que caçam peixes, conseguem avistar um navio de pesca a uma distância de 30 quilômetros, além disso, algumas espécies voam centenas ou até milhares de quilômetros à procura de alimento.

Para obter informações quase instantâneas das aves, os pesquisadores passaram três anos desenvolvendo registradores de dados capazes de detectar sinais de radar de barcos e transmitir rapidamente o local via satélite. Como é improvável que os navios desliguem seu radar marítimo, usado para evitar colisões, as aves que usam os coletores de dados de 65 gramas conseguem captar sinais de navios anteriormente indetectáveis.

Reprodução

Em um estudo inicial de 2017, os cientistas mostraram que os albatrozes das Ilhas Crozet (cerca de 2.300 quilômetros ao sul de Madagascar) voaram por 10 milhões de quilômetros quadrados pelo oeste do Oceano Índico. Quase 80% deles encontraram navios.

Para o novo estudo, os registradores de dados foram presos às penas de 169 albatrozes. Entre dezembro de 2018 e junho de 2019, as aves encontraram 353 navios. Esses locais foram transmitidos ao laboratório normalmente em menos de duas horas. Se não coincidissem com a localização dos navios com AIS ativo, a equipe saberia que o equipamento estava desligado.

O resultado: 26% das embarcações haviam desativado ilegalmente seu AIS dentro da ZEE das três ilhas inspecionadas, assim como 37% dos navios em águas internacionais.

Esses números coincidem com estimativas baseadas em outros métodos. Segundo David Kroodsma, diretor de pesquisa da Global Fishing Watch, uma organização sem fins lucrativos que analisa dados do AIS, a vigilância baseada em animais melhoraria a análise dos dados, ajudando a mostrar quais áreas de pesca exigem fiscalização mais rigorosa.

Os registradores de dados estão previstos para serem implementados em março e abril nas ilhas Prince Edward, no sul do Oceano Índico, para revelar a extensão da pesca ilegal nas ilhas subantárticas. Eles também serão usados para ajudar o serviço de pesca da Nova Zelândia a entender o risco que essas embarcações representam aos albatrozes.

O novo estudo também mostrou que aves mais velhas encontram mais barcos que os juvenis. As espécies também diferem: os albatrozes errantes eram mais atraídos pelos barcos do que os albatrozes de Amsterdã. Os cientistas trabalham também em detectores menores, que poderão ser usados em outras aves e até em tartarugas.

Via: Science

Chip navio Barco radar animais
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!.

Recomendados pra você