Bactérias que vivem na sua barriga podem gerar eletricidade

Pesquisadores querem utilizar os poderes das bactérias eletrogênicas para alimentar baterias ou ajudar a limpar a água de sistemas de saneamento

Renato Mota 04/03/2020 12h03
Listeria monocytogenes
A A A

Uma bactéria que pode ser encontrada no nosso sistema digestivo é capaz de gerar eletricidade, e por isso, pesquisadores querem colocá-la para trabalhar. A Listeria monocytogenes, uma espécie geralmente encontrada no fundo de lagos – mas que consumimos com frequência na nossa comida – gera eletricidade como uma forma de conseguir energia quando está num ambiente sem oxigênio (como no nosso intestino).


Cientistas da Universidade da Califórnia, em Berkley (EUA), examinaram bactérias mutadas - com genes ausentes ou alterados - para identificar quais genes eram necessários para a a produção de eletricidade. Ao colocar as bactérias em uma câmara eletroquímica e capturar os elétrons gerados, a equipe descobriu que elas criavam uma corrente elétrica

No nosso corpo, a bactéria pode causar uma infecção chamada listeriose, perigosa para pessoas com sistema imunológico enfraquecido, mulheres grávidas (pode causar abortos), recém-nascidos e idosos. Mas engenheiros do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveram uma técnica para aproveitar as bactérias que produzem mais energia e usá-las como baterias ou para limpar água de esgoto.

As Listeria monocytogenes geram uma cascata de proteínas que transportam os elétrons para fora – um sistema muito mais simples do o empregado por outras bactérias eletrogênicas. Além disso, a sua parede celular é composta por apenas uma camada que separam o interior do ambiente, ou seja, um obstáculo a menos para os elétrons.

Já existem esforços para criar células de combustível microbianas, ou baterias que usam bactérias para gerar eletricidade usando matéria orgânica – como em estações de tratamento de resíduos. Como esse novo processo mais simples, é possível aprimorar essa tecnologia. A técnica desenvolvida no MIT utiliza chips microfluídicos gravados com pequenos canais que são comprimidos no meio para formar uma configuração de ampulheta.

Aplicando a tensão através de um canal, os pesquisadores poduderam usar um fenômeno conhecido como dieletroforese (uma técnica na qual a tensão exerce uma força sobre uma partícula) para classificar rapidamente as bactérias de acordo com sua atividade eletroquímica. Ao combinar ferramentas genéticas (para criar mutações) com essa triagem microfluídica, é possível transformar células e depois escolher as melhores candidatas à transferência de elétrons.

Via: Live Science/Forbes

Pesquisa Energia energia elétrica genética bactérias
Assinar newsletter
Assine nossas newsletters e receba conteúdos em primeira mão
enviando dados - aguarde...
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!

Recomendados pra você