Projeto de avião vai do Brasil ao Japão em 3 horas

A empresa aeronáutica Boeing revelou nesta semana detalhes de uma aeronave experimental que está desenvolvendo. O avião, segundo a Aviation Week, será capaz de voar a uma velocidade cinco vezes maior que a do som - ou seja, a mais de 6.125 quilômetros por hora. Para efeito de comparação, a velocidade de vôo de um Boeing 737 é de cerca de 830 quilômetros por hora.

Viajando a essa velocidade, a aeronave experimental seria capaz de ir do Brasil ao Japão em cerca de três horas, por exemplo. No entanto, o experimento da Boeing não é voltado para aviação comercial. De acordo com o Popular Mechanics, o avião seria uma aeronave de "ataque e reconhecimento", feita para fins militares.

Turbinas e jatos

Para atingir essa velocidade, a aeronave usaria dois tipos de dispositivos de propulsão. Inicialmente, ela usaria uma turbina a jato convencional para acelerar a velocidades próximas de Mach 3 (três vezes a velocidade do som). As turbinas comprimem o ar que passa por elas e usam combustível para "explodir" esse ar; após a explosão, o ar se expande e sai, mais quente, pela parte traseira da turbina. Isso é o que faz com que o avião se acelere.

Quando ele atinge uma velocidade muito alta, no entanto, a pressão de ar na parte frontal das turbinas é tão grande que não é mais necessário usar uma hélice para comprimir o ar. Assim, quando o avião atingisse essa velocidade, ele trocaria para um outro tipo de sistema de propulsão chamado de "scramjet": ele funciona de maneira semelhante a uma turbina, mas sem a hélice para comprimir o ar. Nele, o ar circula sempre em velocidades acima da do som, o que acelera ainda mais a aeronave.

Na hora de pousar, o avião precisaria voltar a usar as turbinas convencionais para desacelerar. O sistema de propulsão que combina essas duas tecnologias recebe o nome de "Turbine-Based Combined Cicle", ou TBCC, uma sigla que significa algo como "ciclo combinado baseado em turbinas". A pesquisa sobre esse tipo de propulsão está sendo financiada tanto pela Nasa, agência espacial estadunidense, quanto pela DARPA, órgão de pesquisa do exército do país.

Linha de produção

Obviamente, desenvolver um avião desse tipo não é nada simples. Mas, segundo o Digital Trends, a Boeing já tem um cronograma para o seu desenvolvimento. Primeiramente, a empresa pretende criar uma versão de teste da aeronave, com o tamanho aproximado de um jato F-16 (que mede 15 metros de comprimento).

Em seguida, após refinar os problemas nesse avião menor, a empresa produziria uma versão em escala maior da aeronave, com cerca de 32 metros de comprimento e duas vezes mais motores. Mas a expectativa é que a primeira e menor aeronave só seja produzida a partir de 2020. A versão final dela deve levar mais alguns anos depois disso.

Compras para o Natal? Não deixe de conferir a extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.




RECOMENDADO PARA VOCÊ