internet móvel internet mobile internet celular

Cade diz que WhatsApp sem gastar dados não fere a neutralidade de rede

Renato Santino, editado por Leonardo Pereira 04/09/2017 14h50
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Desde que o Marco Civil da Internet entrou em vigor e a neutralidade da rede se tornou, ao menos em teoria, a norma, existe a discussão sobre o zero-rating. Agora o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) deu seu parecer sobre o tema, afirmando que a prática não viola os princípios da neutralidade de rede e arquivando um processo contra Claro, Oi, TIM e Vivo.

Antes de entrarmos em detalhes, uma breve explicação: neutralidade da rede é o conceito de que nenhum bit pode ser prejudicado ou privilegiado no tráfego de internet. Operadoras não podem, por exemplo, aceitar dinheiro da Microsoft para garantir velocidade máxima ao Bing e prejudicar o acesso ao Google, e também não podem, por exemplo, restringir o acesso ao YouTube ou à Netflix em horários de pico (traffic shaping). O zero-rating é o outro lado desta moeda: operadoras fecham acordos para que determinados serviços não consumam o plano de dados de seus clientes, como é o caso de pacotes de internet que oferecem WhatsApp e Facebook grátis, por exemplo.

Por tempos a prática ficou em uma zona cinzenta. As operadoras aproveitam essa brecha para se diferenciar da concorrência: a TIM, por exemplo, oferece acesso grátis ao serviço de streaming Deezer, a Claro anuncia acesso ao seu serviço de música e WhatsApp grátis e já ofereceu também Twitter e Facebook. Com o parecer do Cade, a tendência é o crescimento da prática.

A posição do Conselho se justifica pelo entendimento de que ao oferecer o zero-rating, as operadoras não estão criando as “fast lanes” (“vias rápidas”). A lógica é que, mesmo criando canais diferenciados, nos quais existem serviços que consomem e outros que não consomem dados, as operadoras não oferecem velocidades diferenciadas entre serviços, o que na visão do Cade caracterizaria violação da neutralidade de rede.

O Conselho, no entanto, aponta que quem deve decidir se a prática é ou não legal é a Anatel, mas seu posicionamento é bem claro: “Não se deve bloquear previamente ou desestimular os modelos de negócios das empresas da cadeia de internet, que ocorrem no âmbito de relações privadas”. O órgão governamental também aponta que não vê indícios de que o zero-rating cause “prejuízos ao ambiente concorrencial, seja no mercado de SMP, seja no mercado de aplicativos”.

Internet Brasil Marco Civil Governo Whatsapp internet móvel
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você