genoma, genética, genes

Comunidade científica apoia pesquisas de edição genética em humanos

Gustavo Sumares 04/12/2015 17h12
Compartilhe com seus seguidores
A A A

A Academia Nacional de Ciências e Medicina dos EUA, a Academia Chinesa de Ciências e a Royal Society do Reino Unido declararam ontem, durante um encontro internacional, apoiar pesquisas sobre manipulação genética em seres humanos.

Segundo as academias, seu apoio contempla iniciativas que pesquisem sobre a técnica de “se alterar, com precisão, sequências de genes - em células vivas, incluindo as de humanos”. Os cientistas apoiam até mesmo a alteração genética de óvulos, espermatozoides e embriões, contanto que as células resultantes não sejam usadas para induzir gravidezes.

As academias acreditam que esse tipo de pesquisa pode trazer benefícios para a eliminação de doenças genéticas, mas crêem ser “irresponsável prosseguir sem nenhuma espécie de teste” e acreditam que seria melhor aguardar até que haja “amplo consenso social” sobre essas pesquisas.

A declaração se referia a células que contém informações genéticas, que são passadas de pai para filho. Algumas pesquisas já estão sendo realizdas nesse sentido, para curar doenças como hemofilia (resultado de problemas genéticos) e anemia falciforme (passada de pai para filho).

Embora as academias não tenham falado especificamente sobre clonagem, sua aceitação sobre manipulação genética pode ser vista como boa notícia para o boyalife Group, empresa chinesa que declarou nessa semana que só não realiza clonagem humana por medo da reação das pessoas.
Saúde Medicina Ciência
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você