Sede do Google em Mountain View, na Califórnia

Engenheiro demitido pelo Google por manifesto anti-diversidade processa empresa

Gustavo Sumares, editado por Leonardo Pereira 09/08/2017 11h16
Compartilhe com seus seguidores
A A A

James Damore, o engenheiro que o Google demitiu por defender a desigualdade entre homens e mulheres no ambiente de trabalho, entrou ontem com um processo contra a empresa. Embora seu nome ainda não conste no documento, o Business Insider diz ter confirmado que o processo vem dele. Não chega a surpreender, pois ele já tinha dito à Reuters que pretendia processar seu ex-empregador.


Depois de Damore ter sido descoberto como autor de um manifesto defendendo ideias pseudobiológicas que vêm sendo desmentidas há anos, a empresa o demitiu. O CEO do Google, Sundar Pichai, interrompeu suas férias para se manifestar sobre o caso, dizendo que as ideias defendidas por Damore não eram aceitáveis e se opunham ao código de conduta da empresa.

Por enquanto, ainda não há muitas informações sobre o processo. É possível ver apenas a categoria na qual ele se encaixa: "Declarações Coercitivas (Ameaças, Promessas de Benefícios, etc.)". Após ser demitido, Damore comentou à imprensa estadunidense que a empresa o estava "intimidando e representando mal". "Eu tenho o direito legal de expressar minhas preocupações sobre os termos e condições do meu ambiente de trabalho (...), e é isso que meu documento faz", disse ele ao New York Times.

Caso fraco

Especialistas ouvidos pela Wired consideram que o caso até pode ter mérito - o que não significa que ele tenha chances de ganhar, mas que pode não ser dispensado. Segundo a advogada Eve Wagner, o advogado de Damore pode argumentar que seu manifesto estava protegido pela lei da Califórnia, porque ele está relacionado a suposto tratamento desigual de funcionários.

O Business Insider, por sua vez, considera que seja extremamente improvável que Damore venha a sair vitorioso do processo. Isso porque, nas palavras de outro funcionário do Google a se pronunciar sobre o caso, "liberdade de expressão é o direito de expressar livremente uma opinião. Não é, de maneira alguma, o direito de expressar uma opinião sem precisar lidar com as consequências". 

Segundo Eugene Volokh, um professor de direito da Universidade da Califórnia em Los Angeles citado pelo site, a primeira emenda da constituição dos EUA (que garante a liberdade de expressão) impede que o governo do país - e não as empresas que lá operam - censure seus cidadãos. Ela também não dá a nenhum cidadão o direito de usar o computador da empresa para expressar suas opiniões. 

Num artigo extenso escrito por Volokh, ele ressalta esse ponto: "Um dono de casa pode expulsar convidados que digam certas coisas. Um proprietário pode se recusar a alugar a inquilinos que pendurem determinados pôsteres. Um jornal pode se negar a publicar artigos com os quais discorda. (...) Discursos em propriedade privada podem geralmente ser controlados pelo dono da propriedade".

Google Empregos justiça
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você