Megvii

Face++: a China aposta no código aberto para dominar o mercado de reconhecimento facial

Rene Ribeiro, editado por Rui Maciel 13/12/2018 08h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Quando você visita os escritórios da empresa de tecnologia de reconhecimento facial Megvii, você não precisa de nenhum tipo de cartão de identificação para se movimentar: basta deixá-los escanear seu rosto.


A partir desse momento, a empresa saberá o que você está fazendo a qualquer momento, graças à vigilância por vídeo e à análise em tempo real de 106 pontos da face gravados pelas câmeras.

Agora a empresa, também conhecida no Ocidente como Face++ (o nome de sua plataforma), está prestes a levantar 500 milhões de dólares em uma nova rodada de financiamento que colocará a sua avaliação de mercado em 3,5 bilhões de dólares. Sendo que, há um ano, a companhia levantou 460 milhões em outra rodada com fundos de investimento chineses e russos-chineses.

Mas qual é a história desta empresa e o que ela oferece para alcançar tal interesse (e capital) em torno dela? A Megvii foi fundada em 2011 por Yin Qi, Tang Wenbin e Yang Mu, todos participantes do prestigiado programa piloto de ciência da computação da Universidade de Tsinghua.

Sete anos mais tarde, a empresa emprega mais de 1.500 funcionários, entre seus clientes estão grandes empresas (como a Lenovo, Huawei, Didi ChuXing e as empresas do grupo Alibaba) e 220 autoridades locais que usam Face++, a plataforma de Reconhecimento facial criado por Yin Qi.

O Face++ é uma plataforma aberta que permite que 300 mil desenvolvedores em 150 países usem seu algoritmo, o que faz dela a maior plataforma de reconhecimento facial do mundo e permite que você aprimore sua IA multiplicando a quantidade de dados coletados.

Um crescimento construído sob os ombros do estado chinês

No Ocidente, o reconhecimento facial é usado principalmente no campo de celulares de última geração, como um método de desbloquear os terminais. Mas na China, onde a maioria dos chineses não está particularmente preocupada com o debate sobre privacidade, essa tecnologia está sendo usada intensivamente e inúmeras oportunidades de negócios estão se abrindo.

Graças a isso, a Megvii conseguiu se destacar em áreas como o controle de acesso a estações de metrô e trem, e também na verificação de identidade de aplicações bancárias. Sua tecnologia também tem uma presença marcante em campos que usam algoritmos para pesquisar padrões em grandes conjuntos de dados, como o setor imobiliário ou o setor de varejo.

A Megvii também está começando a entrar no campo de cidades inteligentes (a Face++ está integrada com a plataforma City Brain, que o Alibaba desenvolveu em conjunto com governos locais), e tem planos para expandir para outros ramos, como os carros autônomos ou robôs de serviço.

A empresa possui uma divisão de pesquisa e desenvolvimento, a Megvii Research, sediada em Seattle (EUA) desde 2016. Neste ano, ela decidiu buscar chineses que já estavam trabalhando para no mercado de alta tecnologia nos EUA.

E a Megvii fez isso: o laboratório americano é administrado por Jue Wang, que até 2016 ocupava o cargo de cientista sênior da Adobe Research. Imediatamente abaixo dele está Jian Sun, ex-cientista sênior da Microsoft Research Asia.

É de se esperar que a avaliação de Mengvii continue a crescer enquanto o governo chinês mantiver seu forte compromisso com a inteligência artificial e enquanto permanecer como o principal cliente das tecnologias de vigilância por vídeo para manter seu sistema de crédito social funcionando.

Inteligência Artificial Empresas reconhecimento facial
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você