Telegram

Governo dos EUA tentou subornar programadores do Telegram, diz fundador

Gustavo Sumares 15/06/2017 17h05
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Pavel Durov, o fundador e atual CEO do Telegram (um dos principais concorrentes do WhatsApp) diz que não acredita em privacidade nos Estados Unidos. Segundo o desenvolvedor, durante uma semana em que ele e sua equipe passaram nos EUA, duas agências do país tentaram subornar seus funcionários, e ele foi pressionado pelo FBI.


As alegações de Durov foram feitas por meio do Twitter em resposta a outro usuário, que havia comentado que falhas no WhatsApp e no Signal (outro aplicativo de mensagens) poderiam torná-los inseguros. A conversa pode ser vista abaixo:

Durov acredita que como o protocolo de criptografia usado pelo WhatsApp e pelo Signal foi custeado pelo governo dos Estados Unidos, o próprio governo deve conseguir encontrar uma brecha nele. E isso não deve nem levar muito tempo: "Acredito que um backdoor será encontrado nele durante os próximos cinco anos", comentou. Ele tem tanta certeza disso que falou que apostaria US$ 1 milhão nisso.

Teto de vidro

Como o Engadget lembra, o Telegram não tem criptografia ativada por padrão. Mas o aplicativo tem um recurso de "conversas secretas" no qual o recurso pode ser ativado. Toda a discussão começou porque um usuário criticou o aplicativo por isso, o que levou Durov a apontar a suposta fragilidade da criptografia de seus concorrentes. 

Ele então citou o caso de sua viagem aos EUA e comentou também: "Isso foi em apenas uma semana. Seria ingênuo pensar que você pode gerenciar um aplicativo criptografado seguro/independente baseado nos Estados Unidos".

 

Aplicativos Governo privacidade telegram
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você