Eagle Island, Antártica

Imagens de satélite da Nasa revelam derretimento na Antártica

Renato Mota, editado por Fabiana Rolfini 24/02/2020 13h02
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Eagle Island perdeu 20% da sua acumulação sazonal de neve entre os dias 5 e 13 de fevereiro

A onda de calor que passou pela Antártica no início de fevereiro não só registrou a maior temperatura no continente, 18,3 ° C, como derreteu boa parte do gelo que cobre Eagle Island, uma massa de terra na ponta da Península Antártica. O satélite da Nasa Landsat 8 registrou o derretimento da região durante os últimos dias 5 a 13.


A ilha fica a cerca de 40 quilômetros da Base Esperanza, onde foi registrada a temperatura recorde. Os pesquisadores estimam que a onda de calor derreteu dez centímetros de neve – 25% desse volume só no dia 6. A água derretida foi coletada em piscinas que cobriam cerca de 1,6 km².

No total, a Nasa calcula que a onda de calor possa ter derretido 20% de toda a acumulação sazonal de neve da região. "Nunca vi lagoas de derretimento se desenvolverem rapidamente na Antártida", disse Mauri Pelto, glaciologista do Nichols College que estuda a onda de calor, em um post da Nasa. "Você vê esses tipos de eventos de derretimento no Alasca e na Groenlândia, mas geralmente não na Antártica."

Reprodução

As temperaturas quentes de fevereiro de 2020 foram causadas por uma combinação de elementos meteorológicos. Uma cordilheira de alta pressão estava centrada sobre o Cabo Horn no início do mês, e permitia a elevação de temperaturas quentes. Normalmente, a península é protegida das massas de ar quente por uma faixa de ventos fortes que circundam o continente. No entanto, o vento estava em um estado enfraquecido, o que permitia que o ar quente extra-tropical atravessasse o Oceano Antártico e chegasse à camada de gelo. As temperaturas da superfície do mar na área também foram superiores à média em cerca de 2 a 3 graus.

A onda de calor de fevereiro foi o terceiro grande evento de derretimento do verão de 2019-2020, após períodos de calor intenso em novembro de 2019 e janeiro de 2020. "Se você pensar nesse evento de fevereiro isoladamente, não é tão significativo", disse Pelto. "É mais significativo que esses eventos ocorram com mais frequência".

Via: Vice/Nasa

Aquecimento global mudanças climáticas mudança climática antartica calor
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você