Coronavírus

Liberação de dados de telefonia ao IBGE fere Lei Geral de Proteção de Dados

Renato Mota, editado por Liliane Nakagawa 23/04/2020 14h04
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Governo federal determinou que empresas entreguem nome, endereço e telefone de clientes pessoas físicas e jurídicas para que o IBGE realize a Pnad Contínua de forma não presencial

Entidades de defesa do consumidor, especialistas em proteção de dados, partidos políticos, entidades de classe e até a própria Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) demonstraram preocupação em relação ao texto da Medida Provisória 954/2020, publicada na semana passada.


A ação, de autoria do presidente Jair Bolsonaro, determina que as empresas de telecomunicações entreguem dados dos clientes (nome, endereço e telefone) pessoas físicas e jurídicas para que o IBGE realize a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua – a pesquisa estatística por amostragem que avalia critérios importantes, como o desemprego, para fins de política macroeconômica.

A justificativa do governo federal é que com a pandemia do novo coronavírus, os pesquisadores do IBGE estariam impossibilitados de visitar pessoalmente os domicílios para recolher os dados – e por isso teriam que ser coletados por telefone para fins de "produção estatística oficial".

MP fere princípios básicos da privacidade

Em nota, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), afirma que "a transferência de dados pessoais das operadoras de telecomunicações para o IBGE não atende princípios básicos de privacidade previstos na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), como a definição da finalidade específica e a necessidade para a transferência das informações". No começo da semana, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e os partidos PSDB, PSOL e PSB recorreram ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar revogar a medida.

O Idec classifica como "extremamente preocupantes" algumas das lacunas observadas no texto da Medida Provisória. Para o coordenador de pesquisas do Data Privacy Brasil, Rafael Zanatta, apesar da MP ter sido construída com base em algumas salvaguardas – como atribuir com o caráter sigiloso aos dados e fixar os prazos para que sejam disponibilizados e descartados – a medida tem problemas fundamentais.

O mais grave deles, de acordo com Zanatta, é a própria falta de confiança de que essas salvaguardas serão respeitadas. "Não há, no texto, um mecanismo de supervisão. E esta seria a Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais, prevista na LGPD, mas que o governo federal ainda não a criou, mesmo depois de quase um ano da aprovação da lei", explica Zanatta.

Reprodução

Esse é também um dos pontos observados pelo Idec em seu comunicado, no qual afirma que "apesar da MP prever a elaboração de um relatório de impacto em dados pessoais", é de "extrema importância" a designação de um encarregado.

Em concordância, o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, também reforçou que as normas da LGPD, "embora esta ainda não tenha entrado plenamente em vigor, devem ser observadas", em especial onde destaca a "vedação de transferência dos dados pessoais a entidades privadas".

Outros pontos criticados da MP dizem respeito à ausência de finalidade específica para o tratamento dos dados pessoais e sua coleta desproporcional. Embora o pedido seja justificado afirmando-se que são "as mesmas que eram antes publicadas nas 'páginas amarelas'" - como afirma uma carta assinada por ex-presidentes do IBGE, alertando o Congresso e o Judiciário sobre um possível "apagão estatístico" – o Idec avalia o pedido como "desproporcional", uma vez que a pesquisa é feita tradicionalmente por amostragem.

"É injustificável transferir os dados de todos usuários de serviço de telefonia móvel e fixa, quando a necessidade é de uma pesquisa amostral. Por isso o IBGE deve requerer das operadoras somente dados específicos e de acordo com a amostra necessária para cada pesquisa, uma maneira de minimizar os riscos à privacidade de consumidores e de entrar em sintonia com a LGPD, que determina o princípio da necessidade para a coleta dos dados", afirma o Idec.

Reprodução

"O próprio IBGE poderia determinar uma amostragem aleatória por região, que seria solicitada às operadoras e guardada em uma base de dados secundária", sugere Zanatta. Ao não individualizar as informações, e utilizando um parceiro terceirizado, "com uma mega estrutura de call center", a base de dados das empresas estaria mais protegida, de acordo com o coordenador.

A MP ainda determina que os dados compartilhados "serão utilizados direta e exclusivamente pela Fundação IBGE para a produção estatística oficial", o que de acordo com os especialistas é um termo muito genérico. "É necessário determinar a coleta para o fim específico de realização da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) com foco no Covid-19, como determina a LGPD", completa o Idec.

A segurança destes dados, mesmo dentro dos órgãos do governo, também é objeto de preocupação. Zanatta lembra que existem leis federais que visam reduzir barreiras entre órgãos da administração pública na troca de dados dos cidadãos. "Mesmo que o texto da MP diga que os dados são exclusivos do IBGE, pela legislação o órgão tem a obrigação de compartilhar informações com outros entes. Isso mostra como a situação é vulnerável da perspectiva jurídica, porque essa MP entraria em rota de colisão com outras normas", completa.

Anatel privacidade Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais Jair Bolsonaro IDEC proteção de dados LGPD
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você