microsoft windows 10 build

Moderadores que precisavam ver imagens de abuso infantil processam Microsoft

Gustavo Sumares 12/01/2017 10h01
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Duas pessoas que trabalhavam como moderadores de segurança online da Microsoft entraram com uma ação judicial contra a empresa (pdf) alegando que ela negligenciou sua saúde mental e emocional. Como parte do trabalho, os funcionários eram obrigados a ver "milhares de imagens de pornografia infantil, pornografia adulta e bestialidade que mostravam explicitamente a violência e depravação dos criminosos". 


Henry Soto e Greg Blauert disseram não ter sido avisados sobre os potenciais impactos negativos do emprego, e que não lhes foi permitido negar a participação nessas tarefas. Soto acrescenta ainda que foi transferido para a posição contra a sua vontade em 2008, e que, de acordo com a política da Microsoft, precisaria permanecer no cargo por um ano e meio antes de poder pedir transferência.

Profissão terrível

Após ver imagens que são descritas no processo como "brutalidade, assassinato, agressões sexuais indescritíveis, vídeos de pessoas morrendo" e outras imagens "feitas para entreter as pessoas mais doentes do mundo", Soto foi transferido em 2014. Mesmo após a transferência, contudo, ele continuou a apresentar sintomas de estresse pós-traumático.

Dentre os sintomas estavam problemas para dormir, pesadelos e alucinações visuais. Em 2015, ele tirou uma licença médica, mas o departamento de trabalho de Washington, onde ele trabalhava, não acatou às demandas de Soto para receber compensação pelo estresse pós-traumático, alegando não tratar-se de um problema ocupacional.

Blauert, por sua vez, começou a trabalhar para a mesma equipe em 2011, e precisava ver iamgens com o mesmo teor das citadas acima. De acordo com o Corthouse News, a Microsoft, em vez de ter terapeutas treinados para atender à saúde mental da equipe, oferecia um programa de "bem-estar mental". O programa aconselhava funcionários a passear, sair para fumar ou jogar videogames para lidar com o estresse.

No entanto, Blauert foi criticado por "falta de produtividade" e por passar tempo demais jogando videogames. Em 2013, ele sofreu uma crise psicológica e ainda está em tratamento por conta de um "agudo e debilitante distúrbio de estresse pós-traumático". Novamente, o departamento de trabalho de Washington não julgou que cabia compensação a Blauert.

Mudanças

Os dois funcionários da Microsoft solicitam compensação por danos causados, mas também sugerem que uma série de mudanças seja feita à forma como a Microsoft lida com as equipes responsáveis por revisar esse tipo de conteúdo. Dentre as mudanças estariam rotações obrigatórias para outras áreas, mais folgas, consultas semanais com terapeutas e aconselhamento familiar.

Um porta-voz da Microsoft enviou uma declaração ao Guardian dizendo que a empresa "discorda" dos termos do processo, mas que "leva a sério sua responsabilidade de remover e reportar imagens de exploração e abuso sexual infantil compartilhadas em seus serviços, bem como a saúde e resiliência dos funcionários que fazem esse trabalho importante".

Em entrevista ao site, um dos advogados responsáveis pelo processo, Ben Wells, considerou que a Microsoft e outras gigantes de tecnologia precisam se esforçar mais para "proteger as pessoas que estão fazendo o trabalho heróico". "O público precisa entender que esse trabalho não está sendo feito por um computador", concluiu.

Microsoft Saúde justiça cibercrime
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você