DragonFly NASA

NASA vai buscar por vida alienígena na lua de Saturno

Clara Guimarães, editado por Rui Maciel 28/06/2019 10h22
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Cientistas encontraram um composto que poderia interagir com o metano e o etano para criar membranas semelhantes a células. Eles também acreditam que possa existir água sob a superfície

A NASA está voltando para a lua, mas não é aquela que você está pensando. A agência espacial anunciou ontem (27/6) que planeja enviar uma missão robótica para Titã, a maior lua de Saturno, em 2026. A missão, chamada Dragonfly, lançaria uma nave espacial parecida com um drone à superfície, e este pularia de um ponto ao outro fazendo medições do solo e da atmosfera.


Apesa de ser uma lua, Titã tem muitas coisas similares à Terra, como uma atmosfera e o clima. Chuvas líquidas caem de nuvens espessas, enchendo bacias e canyons, e então evapora de volta para o céu, onde o processo começa de novo. Isso porque as temperaturas naquele satélite são tão extremas que o gás flui como um líquido, produzindo corpos tão grandes quanto os Grandes Lagos da América do Norte.

Existem algumas diferenças cruciais entre a Terra e a lua de Saturno, é claro; por exemplo, a temperatura da superfície em Titã é sempre de -292 graus Celsius, com uma variação apenas de 1 ou 2 graus para cima ou para baixo. Além disso, a atmosfera é tão espessa que muitos poucos raios de luz chegam ao chão.

E, mesmo assim, essa lua continua sendo um dos melhores candidatos para abrigar vida extraterrestre no sistema solar. "Titã tem todos os principais ingredientes necessários para a vida", disse Lori Glaze, diretor da divisão de ciência planetária da NASA hoje.

Na atmosfera de Titã, as espaçonaves detectaram carbono, hidrogênio, nitrogênio, etano e outros elementos dos quais a vida na Terra depende. Eles até encontraram um composto que poderia interagir com o metano e o etano para criar membranas semelhantes a células. Os cientistas suspeitam que Titã possa ter água- H2O real- escondida sob sua superfície.

"As espaçonaves vêm fazendo experimentos de química, basicamente, há centenas de milhões de anos, e a Dragonfly foi projetada para pegar os resultados desses experimentos e estudá-los", disse Zibi Turtle, principal investigador da missão e cientista planetário do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins,

A missão Dragonfly faz parte de um programa da NASA que financia missões espaciais de tamanho médio, que são projetadas para custar cerca de US $ 1 bilhão. Por outro lado, a espaçonave não deve chegar a Saturno até 2034, visto que a viagem é bem longa. "Essa é a maldição de explorar o sistema solar externo", disse Curt Niebur, cientista da Nasa que liderou o esforço para selecionar a missão. “Leva-se muito tempo para chegar lá.”

Durante os anos 1970 e 80, a NASA tentava ultrapassar a camada atmosférica espessa de Titã para capturar alguma informação ou imagem. A lua parecia um mármore de cor mostarda, tão suave e sem feições que parecia quase desafiante.

Em 2005, uma nave europeia capturou algumas fotografias e as enviou para Terra. "De repente, temos uma foto dos barrancos, que não sabíamos que existiam", contou Jonathan Lunine, que estudou Titã desde o início dos anos 80, ao site da revista The Atlantic. "Na Terra, a água corrente esculpe ravinas em paisagens rochosas. Em Titã, o metano é responsável", explicou.

Posteriormente, uma aeronave da NASA, a Cassini, permaneceu em órbita até 2017. Foi ela que forneceu evidências para os lagos de metano por lá. Os cientistas há muito tempo previam sua existência, mas eles estavam cheios de surpresas. Os lagos titânicos são calmos e sem textura, com apenas algumas ondulações aqui e ali.

Agora, esperamos que a a missão consiga fornecer mais informações sobre a misteriosa Titã. Segundo a equipe Dragonfly, a espaçonave poderia cobrir dezenas de quilômetros em uma hora. Graças à atmosfera despojada dessa lua, além de sua baixa gravidade, é muito fácil dar uma volta por la. (Se os astronautas se juntassem ao Dragonfly, eles poderiam usar trajes alados e andar em volta do terreno, ao lado do robô.)

De qualquer forma, é muito animador pensar que uma pequena nave em forma de libélula poderia responder a pergunta mais profunda de todas: estamos sozinhos no universo?

Fonte: The Atlantic

 

Nasa missão espacial alienigena vida extraterrestre
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você