Mark Zuckerberg

Notícias falsas no Facebook não influenciaram eleições nos EUA, diz Zuckerberg

Lucas Carvalho, editado por Leonardo Pereira 11/11/2016 12h37
Compartilhe com seus seguidores
A A A

A eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos nesta semana deixou muitos opositores consternados. Uma das críticas levantadas durante as análises posteriores à notícia citam uma suposta influência do Facebook na formação do voto dos eleitores.


É, por exemplo, o que diz Olivia Solon, colunista do jornal britânico The Guardian. "Quanto mais nós clicamos, curtimos e compartilhamos coisas que corroboram nossas próprias visões do mundo, mais o Facebook nos alimenta com posts similares", disse. "Atualmente, a verdade em um conteúdo é menos importante do que se ele é compartilhado, curtido ou monetizado."

Junte-se a isso o excesso de notícias falsas circulando pela rede social - um problema que a própria empresa admitiu recentemente - e você teria a receita perfeita para a vitória do empresário nos EUA, segundo esses analistas. Nesta sexta-feira, 11, porém, Mark Zuckerberg, CEO e fundador do Facebook, negou que sua plataforma tenha influenciado as eleições.

"Pessoalmente, eu penso que a ideia de que notícias falsas no Facebook, que formam uma quantidade bem pequena de todo o conteúdo [que circula pela rede social], tenham influenciado a eleição de alguma maneira é uma ideia bem maluca", disse Zuckerberg durante um fórum sobre tecnologia nos EUA.

De acordo com o executivo, dizer que os eleitores de Trump foram influenciados por notícias falsas é "ofensivo" a essas pessoas, e ele lembrou que notícias falsas também foram compartilhadas a respeito de Hillary Clinton, a candidata opositora derrotada nas eleições. "As pessoas são inteligentes e entendem o que é importante para elas", argumentou Zuckerberg.

Para ele, porém, o único sinal de influência do Facebook na eleição de Trump seria o engajamento dos usuários. Posts sobre o Republicano teriam recebido mais curtidas e compartilhamentos do que os sobre Hillary, segundo Zuckerberg, sendo de notícias falsas ou verdadeiras. Em tese, isso pode ter contribuído para a popularização e o sucesso da campanha do candidato eleito.

Isso não significa que notícias falsas não preocupam Zuckerberg. No mesmo evento, o executivo reafirmou que a rede social vai se empenhar mais em filtrar o tipo de conteúdo que circula pelo feed para evitar que usuários sejam enganados por histórias mentirosas, mas que "pareçam" verdade.

Via TechCrunch

redes sociais Facebook MARK ZUCKERBERG
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você