LGPD

Projeto de Lei tenta prorrogar em 2 anos data de entrada da LGPD

Liliane Nakagawa 31/10/2019 13h10
Compartilhe com seus seguidores
A A A

PL é de autoria do deputado Carlos Bezerra (MDB/MT) e empurra a data de vigor da Lei para 15 de agosto de 2022

A Lei de Proteção de Dados Pessoais (Lei nº 13.709) sancionada no dia 14 de agosto de 2018 e prevista para entrar em vigor em agosto de 2020, está enfrentando um novo obstáculo no Câmara dos Deputados. A Lei representa um marco na garantia a privacidade e na proteção dados dos cidadãos brasileiros.


Nesta quarta-feira (30), deputado emedebista Carlos Bezerra propôs um projeto de lei que altera a Lei nº 13.709, de 2018, mais conhecida como a LGPD. A proposta protela a data de entrada em vigor de dispositivos da Lei Geral de Proteção de Dados de agosto de 2020 para 15 de agosto de 2022 – dois anos após o previsto no texto original.

No documento apresentado, o parlamentar justifica que, “a pouco mais de dez meses da entrada em vigor da LGPD, apenas uma pequena parcela das empresas brasileiras iniciou o processo de adaptação ao novo cenário jurídico”, dados apoiados no estudo Brazil IT Snapshot, da consultoria Logicalis, que teve por base 143 empresas nacionais.

“De acordo com o estudo, apenas 17% das instituições consultadas dispõem de iniciativas concretas ou já implementadas em relação à matéria. Além disso, 24% tiveram contato com o tema somente por meio de apresentações, e apenas 24% ‘têm orçamento específico para colocar em prática ações que garantam a proteção de dados de acordo com as exigências legais’”.

Segundo o especialista em proteção de dados, Leandro Alvarenga, "o tempo é curto, tendo em vista a falta de conciência social sobre a proteção de dados. Na Europa (com a GDPR) a matéria é regulada há mais de 20 anos e ainda assim precisaram dar mais 2 anos para as empresas se adequarem". 

Audiência Pública sobre a PEC 17/2019

Na semana que vem, uma audiência pública vai debater o conteúdo da Proposta de Emenda à Constituição nº 17 de 2019, a qual “altera a Constituição Federal para incluir a proteção de dados pessoais entre os direitos e garantias fundamentais e para fixar a competência privativa da União para legislar sobre proteção e tratamento de dados pessoais".

A audiência sobre os impactos da PEC nº 17/2019 na futura atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais - ANPD e os direitos dos usuários está marcada para a próxima terça-feira (5), às 14h.

O tema é de grande importância, já que a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados Pessoais) será responsável por fiscalizar o cumprimento da LGPD, aplicar sanções, além de alterar procedimentos, criar e gerenciar canais de atendimento, e promover ações de cooperação com autoridades de proteção de dados pessoais de outros países, de natureza internacional ou transnacional. 

Miranda, que vai representar a ANBI (Associação Nacional de Bureaus de Informação), deve defender a aprovação da PEC. "Tendo em vista que a proteção de dados não é não ter acesso aos dados, mas acessar o necessário com regras, a PEC representa os direitos e garantias das pessoas, sem emperrar o desenvolvimento tecnológico e econômico". 

vazamento de dados Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais armazenamento de dados encarregado de proteção de dados audiência pública coleta de dados
Compartilhe com seus seguidores
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você