bandeira pirata, pirataria

Serviços de IPTV piratas geram mais de R$ 4 bilhões por ano na Europa

Liliane Nakagawa, editado por Matheus Luque 02/12/2019 16h54
Compartilhe com seus seguidores
A A A

Estudo feito pela União Europeia mostra que Holanda e Suécia são os países líderes na utilização do serviço

Na Europa, os serviços IPTV piratas geram perto de um bilhão de euros em receita anual, é o que afirma uma nova pesquisa publicada pelo Escritório de Propriedade Intelectual da União Europeia. O país que mais monetiza com a atividade é o Reino Unido, sendo muito popular na Holanda e na Suécia, os países líderes em que serviços ilegais de IPTV. 


Cada vez mais, as pessoas estão cancelando suas caras assinaturas a cabo, optando por usar TV na internet. Embora haja muitas opções legais disponíveis, há também uma ampla oferta de decodificadores, sites e aplicativos fáceis de usar, configurados especificamente para fornecer conteúdo pirata.

Existem algumas alternativas gratuitas, mas os serviços de IPTV pirata de alta qualidade geralmente são vendidos por meio de uma assinatura mensal ou anual. Isso criou um setor que vale muito dinheiro. Segundo um novo relatório do Gabinete da Propriedade Intelectual da UE (EUIPO), cerca de um bilhão de euros apenas na Europa.

Este é o resultado de um estudo aprofundado do ecossistema de IPTV publicado pelo EUIPO nesta semana. A pesquisa revela a prevalência da pirataria na IPTV, quem são os principais atores, como eles operam e quais modelos de negócios são usados.

O EUIPO analisou centenas de serviços de IPTV supostamente ilegais e combinou isso com dados dos dados da pesquisa domiciliar do Eurostat. Com base nesses números, estima-se que os serviços IPTV piratas tenham gerado 941,7 milhões de euros de receita anual ilegal na UE em 2018.

A pesquisa descobriu ainda que a pirataria de IPTV é um problema em todos os estados membros da UE. Em média, 3,1% da população da UE acessa esses serviços não autorizados. Isso se traduz em uma base de clientes de 13,7 milhões de usuários.

No entanto, a escala do problema varia de país para país. A Holanda e a Suécia têm a maior porcentagem de usuários de IPTV piratas, com 8,9% e 8,5%, respectivamente. Na Romênia e na Bulgária, é muito menos comum, com 0,7% e 1,3%, respectivamente.

O assinante médio paga um pouco mais de cinco euros por mês por uma assinatura, com taxas variando em toda a Europa. A maior parte da receita é gerada no Reino Unido, França e Alemanha. Juntos, esses três países geram mais da metade da receita total, 532 milhões de euros.

Essas estatísticas mostram que a pirataria de IPTV é um grande problema. O EUIPO reconhece isso e fornece uma visão geral detalhada de vários atores do ecossistema, bem como os recursos legais e opções de aplicação disponíveis.

A definição de IPTV do EUIPO parece ser bastante ampla, já que também são mencionados ciberlockers e o Popcorn Time, movido a BitTorrent. Em geral, no entanto, os serviços IPTV mais tradicionais dependem de feeds e listas de reprodução de streaming direto.

No que diz respeito à aplicação, o EUIPO salienta que a legislação da UE fornece os meios para perseguir desenvolvedores, operadores e fornecedores de serviços infratores. Por meio de ações civis e criminais contra os supostos infratores, por exemplo, ou injunções de bloqueio de sites.

Além disso, os facilitadores também podem enfrentar problemas legais. Isso inclui blogs e canais do YouTube que mostram às pessoas como configurar dispositivos piratas, por exemplo.

“Dependendo do nível de envolvimento na prestação de serviços ilegais, o facilitador pode ser responsabilizado por violações de DPI e ser processado por ajudar e favorecer”, observa o EUIPO.

Se usuários de IPTV individuais podem ser facilmente segmentados permanece uma questão em aberto. Segundo o EUIPO, exigir que os operadores de serviços ilegais de IPTV divulguem informações sobre seus usuários pode ser incompatível com a lei de proteção de dados da UE.

O estudo é a pesquisa mais elaborada sobre o mercado ilegal de IPTV até o momento. Embora não chegue a recomendações concretas, o diretor executivo do EUIPO, Christian Archambeau, acredita que entender o ecossistema ajudará a aumentar a conscientização.

“Essa é uma área de mercado em que os modelos de negócios infratores mudam rapidamente à medida que se adaptam às novas tecnologias e oportunidades de negócios. Esta pesquisa esclarece a tecnologia utilizada, as complexas cadeias de suprimentos e questões legais", afirmou o diretor.

"Ele também lança a luz necessária em uma área oculta de uma atividade cotidiana, que está sendo explorada pelo crime organizado, e deve ajudar a aumentar a conscientização entre os cidadãos da UE", acrescenta Archambeau.

Além do estudo sobre IPTV, o EUIPO também divulgou novos dados sobre o uso de conteúdo pirata nos países da UE. Isso revela que houve uma queda de 15% entre 2017 e 2018. A pirataria musical, em particular, caiu muito rapidamente, 32% em média em toda a UE.

 

Via: Torrent Freak


IPTV Europa Reino Unido
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você