TikTok acusa Facebook de promover ataques para destruí-lo

Em carta aberta, o CEO Kevin Mayer defendeu a permanência do aplicativo chinês em solo americano

Davi Medeiros, editado por Daniel Junqueira 29/07/2020 17h40
TikTok
A A A

O TikTok, que vem passando por um período complicado nos Estados Unidos, parece ter decidido que é hora de reagir. Kevin Mayer, CEO do aplicativo, divulgou uma carta defendendo a permanência da empresa no país, e acusou abertamente o Facebook de tentar atrapalhar o app chinês por meio de "ataques malignos". 


De acordo com Mayer, a companhia de Mark Zuckerberg estaria tentando colocar fim à presença do TikTok nos Estados Unidos com "ataques disfarçados de patriotismo". Ele também chamou atenção ao Lasso e ao Reels, duas ferramentas criadas pelo Facebook que apresentam semelhanças com o app da ByteDance. A primeira não pegou, e a segunda chegou recentemente ao Instagram.

"O Facebook está nos imitando pela segunda vez, depois de sua primeira tentativa falhar rapidamente", afirmou. "No TikTok, nós apreciamos a competição. Acreditamos que, quando justa, ela nos faz melhorar".

kevin-mayer-cred-jesse-grant.jpg

Kevin Mayer, CEO do TikTok. Imagem: Reprodução

O CEO afirmou que o recém-criado fundo de US$ 200 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) para criadores deve crescer para US$ 1 bilhão até 2023, possibilitando que os americanos tirem o máximo proveito econômico do aplicativo. Além disso, o fundo deve criar 10 mil empregos no país.

Mayer destacou, também, o fato de o TikTok ter se tornado um ambiente propício para se descobrir e viralizar música, como o sucesso "Old Town Road", do rapper americano Lil Nas X. Sem o aplicativo, a faixa dificilmente teria alcançado a proporção que tomou.

Em 2019, "Old Town Road" foi compartilhada à exaustão no TikTok por fazer parte de um desafio no aplicativo.

Mayer finalizou dizendo que está disposto a dar todos os passos necessários para assegurar que a disponibilidade e o sucesso do app sejam duradouros. "Uma coisa que não mudará é o nosso compromisso de garantir que o TikTok permaneça sendo uma plataforma protegida e segura para as milhões de famílias americanas que o utilizam como fonte de alegria", completou. 

Momento oportuno

O contra-ataque do TikTok aconteceu em momento oportuno. Nesta quarta-feira (29), Mark Zuckerberg foi ao Congresso americano depor contra as acusações de que o Facebook teria construído um monopólio agindo de forma injusta com seus rivais.

Zuckerberg argumentou que o Facebook é uma companhia "orgulhosamente americana que, diferentemente da rival chinesa, preza pelos valores ocidentais de liberdade e democracia".

"Pelo que conheço das nossas leis, as empresas não podem ser consideradas ruins só porque são grandes", afirmou o bilionário americano. "Muitas companhias deixam de existir por não competirem. É por isso que estamos focados em criar e atualizar nossos produtos para oferecer às pessoas as melhores experiências possíveis".

Facebook instagram tiktok Mark Zuckerberg
Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você