JJ Abrams

WarnerMedia oferece 500 milhões de dólares para ter exclusividade da produtora do criador de Lost

Maria Dourado, editado por Rui Maciel 18/06/2019 19h30
Compartilhe com seus seguidores
A A A

O estúdio da AT&T quer a Pictures Bad Robot, de JJ Abrams, para se fortalecer na guerras de streaming, já que a Warner está próxima de lançar sua plataforma

A WarnerMedia, da AT&T, está muito próxima de garantir a Pictures Bad Robot, do cineasta JJ Abrams (Lost, Star Wars, Star Trek, Missão Impossível 3), em um acordo de exclusividade no valor de $ 500 milhões. A negociação foi noticiada por The Hollywood ReporterThe New York TimesPrazoThe Los Angeles Times e outros.


A Bad Robot Pictures e Abrams, que produziam programas de televisão para a Warner Bros TV desde 2006, estavam recebendo propostas de quase todos os principais players do setor de entretenimento nos últimos seis meses — Apple, Comcast, Netflix, Sony Entertainment e Amazon teriam acordos com Abrams, segundo o Hollywood Reporter. Fato é que os detalhes da negociação com a Warner não foram divulgados oficialmente — o que pode incluir a possibilidade ou não de Abrams dirigir filmes de concorrentes; essa era das cláusulas condicionais em seu contrato anterior. Caso fosse permitido, ele poderia voltar a comandar os próximos Star Wars, por exemplo.

Segundo o The New York Times, o que a transação dará à AT&T / WarnerMedia é um acordo preliminar sobre qualquer produção da Bad Robot.  Ela cobre "filmes, programas de televisão, videogames, produtos de consumo, música e conteúdo digital para um serviço de streaming da companhia, que deve chegar no início do próximo ano". 

O potencial contrato de US $ 500 milhões é apenas um sinal do caminho que muitas empresas, especialmente os serviços de streaming, estão se dirigindo, à medida que a "guerra do streaming" ganha força. A Netflix pagou generosamente por vários acordos de longa duração com a criadora de Grey's Anatomy, Shonda Rhimes, e com o criador do American Horror Story e Glee, Ryan Murphy — US $ 100 milhões e US $ 300 milhões, respectivamente. A Warner Bros. TV também desembolsou US $ 400 milhões a Greg Berlanti, criador do Arrow Universe, para manter seu contrato exclusivo.

À medida que mais séries e filmes entram nas gôndolas do mercado dos estúdios e produtoras, mais os serviços de streaming procurarão uma atração que pode ser o próximo Game of Thrones ou Stranger Things — considerados ímãs de assinantes. A Bad Robot, de Abrams, atualmente trabalha na terceira temporada de Westworld, da HBO — que é uma subsidiária da WarnerMedia — então é justo supor que esse acordo se prolongue.

Outra questão a ser levada em consideração é se esse movimento fará os acionistas da AT & T felizes. Afinal, isso afeta a capacidade da empresa de fazer outros acordos e aquisições. Múltiplos relatórios sobre as preocupações dos investidores com o plano da WarnerMedia foram divulgados nos últimos meses. Muitos analistas questionavam o fato de a AT&T “ter muitas bolas para fazer malabarismos”. A empresa, atualmente, tem uma dívida de US$ 171 bilhões, que, segundo o CEO Randall Stephenson, voltará aos níveis normais até 2022. A analista-chefe do banco Wells Fargo, Jennifer Fritzsche, escreveu em um relatório de 2018 que "continuamos um pouco preocupados sobre como a AT&T priorizará o uso de caixa a curto prazo".

Outros falam sobre a capacidade da WarnerMedia de criar conteúdo original que trará assinantes — e que deve mantê-los. A companhia tem um extenso catálogo de filmes e programas, incluindo Friends — programa que custou US$ 100 milhões à Netflix para poder exibi-lo por um ano.

Investir US$ 500 milhões na Bad Robot e em Abrams pode ser uma maneira de sufocar essas preocupações, mas o valor é muito alto — e superior a qualquer quantia que foi colocada em jogo até o momento, para garantir a exclusividade de um único indivíduo criativo. A empresa também assinou recentemente contratos com a cineasta Mindy Kaling, de The Mindy Project, e a diretora Ava DuVernay, de When They See Us. Além disso, ela está tentando garantir uma renovação com o criador de The Big Bang Theory, Chuck Lorre, cujo contrato com a Warner Bros TV termina em 2020.

A WarnerMedia deverá lançar seu serviço de streaming de vídeos no segundo semestre de 2019, e "manter Abrams na lista foi considerado uma alta prioridade para a empresa", segundo o Hollywood Reporter. Embora não exista nenhuma data ou preço de lançamento confirmado, espera-se que a plataforma custe entre US$ 16 e US$ 17 por mês. Isso o coloca no topo dos custos de serviços de streaming, mas incluirá uma assinatura da HBO Now, que, sozinha, sai por US$ 15.

Filmes Streaming AT&T Netflix Warner séries
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você