YouTube vai excluir vídeos e canais de desinformação nas eleições

Conteúdo manipulado, que vise enganar as pessoas sobre a votação nos EUA ou que contenha informações falsas sobre os candidatos será retirado do ar

Renato Mota, editado por Daniel Junqueira 04/02/2020 11h02
YouTube
A A A

O ano de 2016 ficou marcado pelas eleições nos Estados Unidos e o impacto que a internet – especialmente a disseminação de informações falsas – tiveram nelas. Redes sociais como YouTube, Facebook e Twitter (principais meios de propagação) foram muito cobradas pela falta de ações concretas para impedir isso.


Com novas eleições chegando, o YouTube anunciou que irá remover conteúdo relacionado a ao pleito que viole suas diretrizes de comunidade, como vídeos manipulados, que visam enganar as pessoas sobre a votação ou que contenha informações falsas relacionadas aos requisitos técnicos de elegibilidade para candidatos.

“Nos últimos anos, aumentamos nossos esforços para tornar o YouTube uma fonte mais confiável de notícias e informações, além de uma plataforma aberta para um discurso político saudável”, afirmou em comunicado a vice-presidente de assuntos governamentais e políticas públicas da empresa, Leslie Miller.

A plataforma irá ainda fechar canais que tentem se passar por outra pessoa ou canal, para ocultar sua associação com um ator do governo e aumente artificialmente o número de visualizações, curtidas, comentários ou outras métricas.

“Para combater operações de influência coordenada estrangeira e doméstica que buscam interferir nos processos eleitorais, coordenamos estreitamente com o Grupo de Análise de Ameaças (TAG) do Google para identificar maus atores e encerrar seus canais e contas”, afirma a executiva do YouTube. Da mesma forma, a plataforma selecionou canais para servirem como fontes “autorizadas”, que irão ter preferência nos resultados de pesquisa e nos painéis "assistir a seguir".

De acordo com a empresa, o conteúdo que viola as diretrizes da comunidade “é uma fração de 1% do que é assistido no YouTube nos EUA”. Desde janeiro de 2019, a plataforma afirma que alterou seu sistema de recomendações para limitar a disseminação de informações erradas e conteúdo de fronteira prejudicial. “O resultado é uma queda média de 70% no tempo de exibição desse conteúdo, proveniente de recomendações não assinadas nos EUA”.

Via: YouTube

Youtube fake news Deepfake Desinformação eleições 2020
Assinar newsletter
Assine nossas newsletters e receba conteúdos em primeira mão
enviando dados - aguarde...
Parabéns! Sua assinatura foi recebida com sucesso!
Atenção: Em instantes você receberá um email de confirmação da assinatura. Para efetivá-la, clique no link de confirmação que você receberá. Verifique também sua caixa de SPAM, pois por se tratar de um email automático, seu servidor de emails poderá identificar incorretamente a mensagem como não solicitada.
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar a extensão Olhar Digital Ofertas em seu navegador!

Recomendados pra você