Amazon usa ferramentas de espionagem contra funcionários para evitar sindicalização

Segundo estudo, a multinacional dificulta a unificação e as greves e utiliza várias ferramentas de monitoramento, como softwares, scanners e câmeras de segurança térmica

Da Redação, editado por Liliane Nakagawa 03/09/2020 17h00
Logo da Amazon
A A A

Segundo uma pesquisa publicada na última segunda-feira (31) pela Open Markets Institute (OMI), as iniciativas de espionagem da Amazon mirando seus funcionários podem dificultar a sindicalização, ainda que por outro lado aumentem a produtividade dos trabalhadores. Os especialistas constataram que a gigante do e-commerce usa várias ferramentas polêmicas para vigiar os funcionários das lojas e armazéns, tais como softwares, scanners, pulseiras de monitoramento, câmeras de segurança térmicas e gravações convencionais. 


Todos os dados coletados resultam em maior pressão coletiva. Isso porque por meio do monitoramento é possível identificar o que fazem os funcionários e controlar melhor o tempo de trabalho.

Prova de tal controle, de acordo com o estudo, são as medidas de desempenho, confirmadas por uma porta-voz da companhia. "O desempenho do associado é medido e avaliado durante um longo período, pois sabemos que uma variedade de coisas pode afetar a capacidade de atender as expectativas em qualquer dia ou hora”, contou a representante, em comunicado. 

Resistência à sindicalização 

Segundo o relatório, a multinacional muda o endereço de trabalho supostamente para impedir unificação e greves. A mudança de região acontece, de acordo com a pesquisa, após a empresa montar "mapas de calor". Esses contêm dados como a opinião dos membros da equipe e um índice de diversidade para determinar quais lojas estão com maiores riscos de sindicalização.

 

Reprodução

Funcionários da Amazon são vigiados por câmeras e scanners nos escritórios. Crédito: Mwitt1337/Pixabay 

Diante dos resultados, a Open Markets Institute pede que as medidas "invasivas" de vigilância do trabalhador sejam proibidas na Amazon. O grupo também defende, entretanto, que as alternativas de monitoramento consideradas "não invasivas" continuem sendo aplicadas, salvas com a aprovação de agências estaduais e federais. "Nosso objetivo é mostrar como o tremendo desequilíbrio de poder entre empregadores e trabalhadores é agravado por um aumento alarmante na vigilância", argumentou Sally Hubbard, diretora de estratégia de fiscalização da OMI. 

Fonte: Reuters

Amazon privacidade estudo espionagem Vigilância sindicato
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você