dinheiro reais caro

Derrotas dos consumidores em 2015 incluem eletricidade e internet móvel

Gustavo Sumares 16/12/2015 15h12
Compartilhe com seus seguidores
A A A

A Proteste Associação de Consumidores, em balanço referente aos avanços dos direitos dos consumidores, identificou 2015 como um "ano de perdas". Dentre os problemas encontrados pela associação estão o aumento do preço da energia elétrica e a interrupção do serviço de internet móvel ao fim da franquia.

De acordo com a Proteste, a energia elétrica teve um reajuste superior a 50% na maioria dos estados brasileiros. Esse aumento foi ainda composto pelo repasse da Conta de Desenvolvimento Energético aos consumidores. As indústrias conseguiram, por meio de medida judiciária, livrar-se dessa conta, o que acarretou um aumento adicional de até 8% no preço da eletricidade.

Com relação à internet móvel, a associação de consumidores considerou que "houve retrocesso com o corte do acesso à internet após o término da franquia de dados pelas operadoras". A medida contraria o texto do Marco Civil da Internet que, segundo a Proteste, "não saiu do papel".

Justiça

O corte da internet ao fim da franquia foi um dos fatores que motivou a Proteste a entrar na justiça contra as operadoras Oi, Vivo, Claro, TIM e Net. A associação exige que elas adequem suas práticas ao Marco Civil da Internet e interrompam a venda de planos que prevejam o bloqueio da conexão após o fim do pacote contratado.

A Proteste também tomou ação judicial contra a Sabesp por conta do reajuste de 15,24% aplicado à água no estado de São Paulo em maio. Em janeiro, a associação já havia se mobilizado contra a empresa por conta da multa aplicada por consumo além da média que, segundo a associação, não teve aviso prévio.

Outras perdas

Além desses problemas, a Proteste também identificou outras derrotas para o consumidor no ano de 2015. A associação considerou que "os consumidores perderam renda", o que se traduziu numa queda do consumo de produtos e serviços de lazer, tais como restaurantes e bares.

O problema foi acentuado de tal maneira que, segundo a associação, os consumidores deixaram até mesmo de investir em ítens considerados essenciais, como remédios, supermercado e planos de saúde. A elevação das taxas de crédito imobiliário foram outro problema encontrado pela associação em 2015. 
Economia Mercado Crise Telecomunicações Eletricidade Energia justiça industrial operadoras água
Compartilhe com seus seguidores
Compras na Internet? Para aproveitar as melhores ofertas, baixe a nova extensão do Olhar Digital. Além da garantia do melhor preço, você ainda ganha descontos em várias lojas. Clique aqui para instalar.

Recomendados pra você