Zenfone 5 é bom? Confira nosso review

O nome Zenfone 5 já tem história no mercado brasileiro. Lançado em 2014, o primeiro modelo batizado assim veio para bater de frente com o Moto G. Os dois rivais carregavam especificações de entrada e tinham um preço parecido – baixo. Mas assim como a linha da Motorola mudou com os anos, o mesmo aconteceu com o aparelho da Asus. O segundo Zenfone 5 chegou com pompas de topo de linha, daqueles para concorrer com aparelhos mais poderosos, como o iPhone X e o Samsung Galaxy S9. Mas como ele se sai nessa árdua tarefa?

A primeira característica a se notar no novo Zenfone 5 é que, ainda que almeje e se pareça por fora, ele não é necessariamente um topo de linha. A memória RAM de 4 GB é equiparável ao principal modelo da Samsung, mas o processador Snapdragon 636 com GPU Adreno 509 fica abaixo do Snapdragon 845 usado pela sul-coreana.

É claro, o chip está longe de ser ruim: a combinação dele com a memória faz o aparelho dar conta das tarefas sem engasgos, e o aparelho consegue uma marca bastante razoável no AnTuTu. Mas se quiser um desempenho de topo de linha, a recomendação é partir para o Zenfone 5z, seu irmão mais poderoso, com o mesmo processador do S9 e do LG G7.

Câmera

O principal destaque do Zenfone 5, no entanto, é a câmera. Ou o par delas, localizado na traseira. São dois sensores, de 12 e 8 megapixels, com abertura f/1.8 na lente de maior resolução. Em locais bem iluminados, o conjunto rende fotos com ótima definição, mas um pouco mais escuras do que as tiradas com um S9. Nas cenas mais escuras, os resultados também são bons: o Zenfone 5 clareia bem a cena. Porém, ele peca um pouco na definição.

Ainda assim, dá para contornar muitos dos pequenos problemas do modo automático com a ajuda do modo Pro. Com o recurso, você pode ajustar desde a velocidade do obturador até o ISO e a iluminação, conseguindo resultados bem satisfatórios mesmo em cenas bem escuras.

Recursos e bateria

A riqueza de recursos integrados é um dos maiores pontos positivos do Zenfone 5. Além desse modo Pro, a câmera tem outro de Super Resolução, que gera fotos de 49 megapixels, um de câmera lenta, que grava a 120 quadros, e um gerador de GIFs. Todos funcionam muito bem. Fora da câmera, o smartphone vem com um assistente de áudio com perfis prontos para diferentes fones de ouvido e com um Gerenciador de Celular bem útil. Por este último, dá para desde liberar a memória RAM até configurar as permissões de aplicativos e monitorar o uso da bateria.

Aliás, sobre a carga, o aparelho faz um bom trabalho ao usar inteligência artificial para ajustar o uso da CPU e o recarregamento. O Zenfone 5 aguenta sem esforço um dia todo de uso, com algumas horas de Netflix, redes sociais e Spotify no meio. Depois, na hora de ligar na tomada, o celular aprende os hábitos do usuário para saber quando precisa ou não acelerar a recarga. Se você puder deixá-lo por mais tempo ligado na energia, o Zenfone 5 vai entender que pode carregar mais lentamente, para fazer o aparelho esquentar menos.

O interessante é que esses vários recursos não se tornam necessariamente vários aplicativos pré-instalados. O Zenfone 5 não escapa de ter alguns redundantes, como um de previsão de tempo e uma calculadora, mas está longe de vir sobrecarregado de bloatwares. O Android 8.0 do aparelho só peca mesmo em alguns detalhes mais bobos: os nomes mais longos de alguns apps não aparecem inteiros embaixo dos ícones, e erros ortográficos ainda surgem em alguns menus. A interface da ZenUI melhorou e muito desde o primeiro Zenfone 5, mas ainda precisa de uma leve polida.

Design

De ponto negativo mesmo, fica a estrutura do aparelho. Primeiro, a tela LCD Full HD+ é ótima, mas o entalhe é questionável e não fica completamente escondido com a solução de software oferecida pela Asus. Segundo, a traseira é toda de vidro, o que dá aquele suposto toque de elegância, mas que ao mesmo tempo é mais uma parte que pode quebrar com uma queda.

Fora que, com o leitor de digitais ali, ela é um ímã para marcas de dedos e não traz nem o benefício da recarga sem fio: o Zenfone 5 não é compatível com o padrão Qi de carga por indução. A Asus até inclui uma capinha de silicone na caixa do aparelho para protegê-lo melhor, mas o acessório poderia ser dispensado com uma traseira metálica.

Conclusão

Em resumo, não dá para negar a Asus caprichou no Zenfone 5. O aparelho tem boas configurações, uma câmera excelente para a categoria e vários bons recursos extras. A fabricante, porém, pecou na construção, criando um modelo bonito, mas mais frágil do que precisava ser. Ainda assim, com uma versão de 128 GB de espaço por R$ 2.500, o aparelho ocupa muito bem a categoria de intermediários premium. O segmento premium fica nas mãos do 5z, que mantém o mesmo design, mas ganha um chip um tanto mais potente.

Você faz compras Online? Não deixe de conferir a nova extensão do Olhar Digital que garante o preço mais baixo e ainda oferece testadores automáticos de cupons. Clique aqui para instalar.


RECOMENDADO PARA VOCÊ