Com o lançamento do iPhone 11 se aproximando, existe pouco que não saibamos sobre o novo smartphone. Mas entre câmera tripla, maior bateria e até mesmo o suporte à Apple Pencil, existe um recurso que ainda estará faltando no novo iPhone: 5G.

A Samsung, a LG, a OnePlus e outras marcas já vendem aparelhos capazes de acessar as redes de última geração, e os fãs da Apple estão naturalmente ansiosos para obter um iPhone 11 Pro Max 5G. Porém, existem algumas restrições.

publicidade
  • Cobertura do 5G

A Qualcomm já fabrica um modem 5G que a Apple poderia adicionar ao seu iPhone, mas há apenas um problema: cobertura. O site MacWorld testou um Samsung Galaxy Note 10+ 5G e conseguiu atingir velocidade de download acima de 1,6Gbps e fazer o download de um filme de duas horas em cerca de 10 segundos.

Porém, como o próprio site relata, achar cobertura 5G não foi fácil. “Se eu me afastasse da antena, virasse uma esquina ou desse as costas ao ponto em que estava, perdia a cobertura. E esse é o único 5G que a Verizon está vendendo”.

Por causa dessa cobertura falha, a Apple não deve se propor a produzir uma versão do iPhone 11 com 5G. A empresa não costuma vender aos usuários experiências limitadas.

  • Efeito do 5G na bateria

Ainda segundo os testes do MacWorld, o Samsung Galaxy Note 10+ super aquecia e consumia muita bateria, caindo de 95% para 35% de carga em três horas, enquanto o 5G estava ligado. Especialmente num iPhone, o consumo extra de bateria não é o desejado.

  • 5G não está pronto

Simplificando a história: o 5G não está pronto para o iPhone, e não o contrário. Com base nas experiências com a rede mmWave da Verizon, ainda demorará para a Apple lançar uma versão do smartphone compatível com as redes sem fio de última geração.

Assim como aconteceu com 3G e 4G, a Apple preferirá esperar por mais qualidade, talvez até 2021, ao invés de se apressar para apoiar a nova tendência – especialmente quando estamos falando sobre a importante conexão de rede.

Fonte: MacWorld