A cápsula espacial Dragon, da SpaceX, atracou com sucesso na Estação Espacial Internacional (ISS) no domingo (8). A missão entregou suprimentos e experimentos científicos, que incluíam um grupo de ratos geneticamente modificados e um robô flutuante, o CIMON-2. A entrega foi anunciada no Twitter e ocorreu três dias após o lançamento do foguete SpaceX Falcon 9.

Os ratos, que foram alterados geneticamente para aumentar o crescimento muscular, foram desenvolvidos no Laboratório Jackson, em Maine. A missão dos roedores é ajudar os cientistas a entender os efeitos da microgravidade na degeneração muscular e óssea. Os animais vão ficar a bordo por 30 dias. A pesquisa é considerada de extrema importância, já que a Nasa planeja missões tripuladas mais longas para Lua, Marte e até além.

publicidade

Além de ajudar a entender como prevenir a perda muscular e óssea nos astronautas, a pesquisa pode ajudar a melhorar a compreensão da degeneração muscular na Terra, que afeta idosos e pessoas que necessitam de muito repouso. Já o CIMON-2 é uma versão atualizada do original, que passou 14 meses na ISS. Foi a primeira vez que um sistema de inteligência artificial foi para a estação espacial.

O robô é essencialmente um computador avançado que visa, além de fazer companhia para os astronautas, ajudá-los no trabalho. CIMON-2 usa pequenos ventiladores para flutuar na microgravidade, e pode ver, ouvir, conversar e compreender. Quanto mais interage com a tripulação, mais suas habilidade se desenvolvem.

A atualização inclui aprimoramento da IA, estabilidade de seus aplicativos de software complexos melhorados e microfones mais avançados, além de um melhor senso de direção. Se nada der errado, o robô deve permanecer a bordo por três anos.

Via: Digital Trends