Mesmo sendo uma ferramenta bastante útil, os smartphones também são dispositivos de vigilância bastante avançados. Em uma investigação recém-publicada, o The New York Times revelou um enorme vazamento de dados de localização de milhões de americanos. Esse caso é apenas mais um dentre os vários casos que ocorrem na indústria – o que é extremamente preocupante.

Uma vez que o local de um dispositivo é compartilhado com empresas, não há como excluir essas informações definitivamente ou recuperá-las. Por isso, a orientação é que os usuários evitem ao máximo compartilhar sua localização com qualquer serviço.

publicidade

Conheça o “Encontre meu dispositivo“, ferramenta do Google que permite rastrear o celular!

Pensando nisso, o NYT listou três dicas para evitar ter os dados de localização coletados por empresas. As recomendações estão separadas por sistema operacional e podem ser conferidas abaixo.

Parar de compartilhar o local com aplicativos

O primeiro passo para deixar de compartilhar a localização é desativando essa opção para os aplicativos presentes no smartphone. Vale lembrar que, mesmo que a opção esteja desativada, o telefone ainda pode enviar a localização para serviços de emergência caso necessário.

  • iPhone

Para desativar o compartilhamento de local nos dispositivos da Apple, basta ir até Configurações> Serviços de localização de privacidade. Em seguida, é só escolher quando um aplicativo pode ter acesso à localização.

Há ainda a possibilidade de impedir que o telefone compartilhe a localização em segundo plano. Para fazer isso, basta ir até Ajustes> Geral> Atualização em segundo plano. Isso não afetará a capacidade do recebimento de notificações.

  • Android

No caso do sistema do Google, o compartilhamento de local pode ser desativado em Configurações> Segurança e localização> Localização. Nesta tela, é possível escolher qual aplicativo pode ter acesso ao local do usuário.

Atualmente, muitos aplicativos solicitam permissão para rastrear a localização dos usuários de smartphones. Entretanto, alguns deles fazem isso de maneira totalmente desnecessária, como é o caso de aplicativos meteorológicos, que não necessitam da localização precisa dos usuários, já que ele fornece previsões para a cidade em geral.

Desativar o ID de anúncio do celular

A atividade online de um dispositivo geralmente é associada e rastreada pelo ID de publicidade, que é um número exclusivo criado pelo telefone e enviado aos anunciantes e fabricantes de aplicativos.
Como os dados de localização são enviados junto com o ID de anúncio, eles podem ser vinculados a outros dados. Felizmente, é possível desativar essa opção para limitar a forma como as empresas enviam publicidade.

  • iPhone

Para realizar essa operação no iPhone, os usuários devem seguir até Ajustes> Privacidade> Publicidade. Nessa opção, basta ativar o botão de “Limitar Publicidade Rastreada”.

  • Android

Nesse caso, o usuário deve ir até o Google Ads e selecionar a opção “Desativar Personalização de Anúncios”. Isso deve resolver o problema de anúncios baseados em localização.

Impedir que o Google armazene localização

Ao usar qualquer aplicativo do Google que exige uma conta, a empresa provavelmente salvou muitos dados vinculados ao dispositivo. É possível impedir que o Google colete essas informações acessando os controles de atividade da conta e desativando o compartilhamento de local. Nesse caso, como a interface de conta é semelhante, as recomendações servem para ambos os sistemas operacionais.

O compartilhamento de local

Mesmo seguindo esses passos, é bastante provável que a localização continue sendo enviada para as empresas. Isso porque os fornecedores de localização sempre procuram novas formas de coletar dados de dispositivos. A operadora dos smartphones também coleta a localização dos aparelhos enquanto o telefone está ligado, isso não pode ser desativado.

Proteções mais efetivas virão somente se leis que limitem o acesso das empresas forem aprovadas. Até lá, independentemente das configurações fornecidas, estamos todos sendo observados de alguma forma.

Via: New York Times