EnglishPortugueseSpanish

Uma das pautas mais frequentes entre a comunidade de cientistas espaciais nos últimos anos é a procura por planetas potencialmente habitáveis, os chamados exoplanetas. Agora, uma pesquisa desenvolvida por um consórcio internacional com participação de cientistas brasileiros deve revolucionar essa busca.

Trata-se de um novo pente de frequências a laser, que aumentou a visão do caçador de planetas similares à Terra em 100 vezes. O caçador em questão é o espectômetro HARPS (Buscador de Planetas em Velocidade Radial de Alta Precisão, na sigla em inglês) do Observatório de La Silla, no Chile, operado pelo ESO (Observatório Europeu do Sul).

publicidade

Com o novo pente, é possível medir espectros astronômicos com a maior precisão já vista usando a técnica Doppler. O projeto passou por mais de dois anos e meio de teste até que fosse finalmente inaugurado, no fim de 2019. Em artigo, os autores afirmam que “esse desenvolvimento é considerado fundamental na busca por exoplanetas rochosos de baixa massa em torno de estrelas do tipo solar”.

Reprodução

A grande inovação realizada pelo projeto é trocar as lâmpadas usadas como calibradores pelo novo pente de frequência a laser. Além de prejudicadas pelo envelhecimento, as lâmpadas não cobriam todo o espectro magnético, o que agora vai ser possível. Fora isso, segundo Medeiros, “os pentes também vão representar um passo importante no estudo sobre a possível variação de constantes fundamentais da natureza” devido à alta sensibilidade e precisão.

“A dificuldade até hoje em descobrirmos planetas do tamanho da Terra é a falta de precisão, de sensibilidade dos instrumentos disponíveis. Com o pente, vamos melhorar essa precisão e sensibilidade em pelo menos 100 vezes, o que fará com que a ciência possa afirmar que descobrir planetas tão pequenos quanto a Terra é apenas uma questão de tempo”, contou Medeiros.

Vale ressaltar que quase 4.000 exoplanetas foram descobertos nos últimos 25 anos. O grupo de pesquisadores que se dedicou ao projeto inclui, além de cientistas brasileiros – da Universidade Federal do Rio Grande do Norte -, pesquisadores da Alemanha e Espanha.