EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Durante a pandemia do novo coronavírus, pessoas do mundo todo foram forçadas a se isolar em suas residências. Sem poder sair, muitas encontraram no Zoom (Android e iOS), um aplicativo para videoconferências, uma alternativa para as conversas pessoas e conferências corporativas. Entretanto, falhas de segurança foram descobertas após milhares de gravações serem expostas online. Como resultado do descuido do aplicativo em preservar os dados de forma segura, a Anvisa e a cidade de Nova York anunciaram a suspensão do aplicativo para comunicações internas. A plataforma se manifestou sobre os bloqueios nesta terça-feira (7).

Em resposta ao site Mobile Time, o Zoom disse que está em comunicação com a Anvisa e fornecerá toda a “documentação necessária”. A equipe afirmou que a segurança é levada a sério dentro de suas instalações, lembrando ainda que diversas empresas de todo o mundo fizeram testes robustos de confiança de rede, camadas de datacenter e com seus usuários antes de implementar o Zoom oficialmente, o que demonstra a confiabilidade do aplicativo.

publicidade

Já em relação à decisão tomada pelo Departamento de Educação da cidade de Nova York, a empresa pede àqueles que usam a plataforma voltadas para a  educação que sigam as práticas de uso promovidas em seu site. Além disso, o Zoom afirmou que recentemente atualizou as configurações padrão para esse tipo de usuário no programa ensino fundamental (K-12), como a criação de salas de espera e a garantia de que apenas os professores possam compartilhar conteúdo em aula.

Tanto a prefeitura da cidade norte-americana quanto a Anvisa suspenderam a utilização do Zoom nesta segunda-feira (6), alegando a falta de segurança do aplicativo. Outras empresas, como a SpaceX, também optaram por bloquear o uso da plataforma.

No mês passado, as ações do Zoom dispararam, com o app  atingindo 4,8 milhões de usuários ativos no mês de março, um crescimento de 151% em relação ao mesmo período do ano passado. Isso se deve muito à crise da Covid-19, em que milhares de pessoas buscam alternativas para comunicação estando em isolamento social.

publicidade