EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Nasa divulgou um estudo que mostra a evolução das camadas de gelo que cobrem a Groenlândia e a Antártica ao longo dos últimos 16 anos. Segundo a agência, apesar de um acúmulo de gelo no leste do continente, há perdas imensas no oeste e também em toda a Groenlândia.

Os dados foram coletados usando dois satélites chamados ICESat. O ICESat-1 esteve em operação entre 2003 e 2009, e o ICESat-2 foi lançado em 2018. Ambos usam um altímetro laser, que envia 10 mil pulsos de luz para a superfície terrestre por segundo e mede o tempo de retorno, o que permite gerar um mapa do relevo abaixo com precisão de uma polegada (2,5 cm).

publicidade

Segundo o estudo, a Groenlândia perdeu em média 200 gigatoneladas de gelo por ano, e a Antártica perdeu 118 gigatoneladas. Uma gigatonelada equivale a um bilhão de toneladas de gelo, que seria o suficiente para encher 400 mil piscinas olímpicas.

publicidade

Juntas, as perdas de gelo em ambas as regiões foram responsáveis por um aumento de 14 mm no nível dos oceanos entre 2003 e 2019, cerca de um terço do aumento total observado no período.

“Se você observar uma geleira ou capa de gelo por um mês, ou um ano, não vai aprender muito sobre o que o clima está fazendo a ela”, disse Ben Smith, glaciologista da Universidade de Washington e principal autor do estudo. “Agora temos um período de 16 anos entre ICESat e o ICESat-2 e podemos ter muito mais confiança de que as alterações que estamos vendo no gelo são relacionadas a mudanças de longo prazo no clima”.

“A nova análise revela a resposta as camadas de gelo a mudanças no clima com detalhes sem precedentes, revelando pistas sobre porque e como as chamadas de gelo estão reagindo”, disse Alex Gardner, glaciologista no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa e coautor do estudo.

Fonte: Nasa