EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Um estudo feito pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) mostrou um aumento de 53% na proporção da população brasileira com anticorpos para o novo coronavírus em apenas duas semanas. Nesse período, a proporção subiu de 1,7% na primeira medição para 2,6% na segunda. Os pesquisadores coletaram dados de 133 municípios do país.

“Se fosse uma corrida de Fórmula 1, infelizmente, o Brasil é, de todo o autódromo, o carro que está acelerando com maior velocidade nessa expansão do novo coronavírus”, afirmou o coordenador-geral do estudo, Pedro Hallal. Além disso, o estudo estima que haja seis vezes mais casos de Covid-19 no país do que o dado oficial do governo.

publicidade

ReproduçãoEstudo mostra grande aumento no número de pessoas com coronavírus no país em apenas duas semanas. Foto: Getty Images

Segundo a pesquisa, 1,9 milhão de pessoas estão ou já estiveram infectadas nas 120 principais cidades, onde vive 32,7% da população brasileira. Na véspera do estudo, os dados contabilizavam 296.305 casos confirmados nessas cidades.

Taxa de anticorpos

De acordo com os dados obtidos pelo estudo, as regiões Norte e Nordeste lideram o ranking de municípios com maiores taxas de anticorpos. Em Boa Vista, capital de Roraima, por exemplo, 25,4% da população já teve contato com o novo coronavírus. Isso representa uma a cada quatro pessoas. Entre as 20 cidades com as maiores taxas, 12 estão na região Norte, sete na Nordeste e apenas uma, o Rio de Janeiro, no Sudeste do país.

Já nas capitais, São Paulo e Rio Branco, no Acre, se destacaram de forma positiva. Isso porque os números caíram da primeira para a segunda fase. Hallal afirmou que isso mostra que não houve “um aumento descontrolado da doença” nessas cidades. Além disso, o pesquisador afirma que pode ser um sinal de que o isolamento social está ajudando a desacelerar o número de casos ou de que a curva epistemológica de casos pode ter começado a cair.

publicidade

Via: G1