EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Os avanços tecnológicos relacionados às viagens espaciais trazem uma série de vantagens, mas também reacendem uma antiga preocupação. Um estudo publicado anos atrás na Plos One indicou que, quando submetidas a baixos níveis de gravidade, as bactérias podem se tornar mais resistentes e possivelmente mortais. 

A baixa gravidade favorece a formação de biofilmes, que são comunidades bacterianas com elevado grau de organização. Nessas condições, os microorganismos expelem uma substância polimérica semelhante a uma cola, que faz com que eles fiquem fortemente unidos. A finalidade deste processo é justamente intensificar o potencial de sobrevivência das bactérias e, portanto, elas se tornam mais resistentes a antibióticos

publicidade

Além da formação de biofilmes, a ausência de gravidade pode alterar a maneira como as bactérias absorvem os medicamentos que deveriam combatê-las. Nesse caso, elas estariam duplamente preparadas contra os antibióticos, aumentando consideravelmente sua capacidade de infecção. 

Possível solução está em desenvolvimento

Os biofilmes bacterianos não são novidade na exploração do espaço. A estação espacial soviética MIR, que operou de 1986 a 2001, registrou a presença desse “plástico” microbiano em seu sistema de controle térmico, unidade de reciclagem de água, ar condicionado e janelas de navegação. Se expostas por muito tempo aos microorganismos, essas estruturas podem sofrer sérios danos. 

bacterial-biofilm-03.jpg

publicidade

Visão microscópica da formação de um biofilme. Imagem: Contipro/BacteriaInPhotos 

Problemas semelhantes também foram verificados e estudados na Estação Espacial Internacional (ISS). De acordo com estudo publicado na National Library of Medicine, foram encontrados microorganismos em abundância nas superfícies e filtros de ar da estação. 

“O aumento da resistência a antibióticos em bactérias isoladas na ISS tem sido frequentemente relatado”, informa a pesquisa. “Isso pode afetar a resposta imunológica dos tripulantes, constituindo uma ameaça à sua saúde”. 

Como possível solução para o problema, o estudo aponta o revestimento antimicrobiano AGXX, um material autorreciclável produzido a partir da junção de dois metais nobres. Em testes conduzidos na ISS, o produto conseguiu reduzir drasticamente o crescimento microbiano de patógenos multirresistentes.

Se continuar demonstrando resultados promissores, o AGXX deverá ser utilizado em futuras missões tripuladas para Marte. Sua eficiência é um dos pontos-chave para superar um dos maiores desafios relacionados às viagens ao espaço profundo. Afinal, a milhões de quilômetros de qualquer serviço médico, uma infecção bacteriana praticamente incurável seria desastrosa. 

Via: The Next Web