Na segunda-feira (7), a Oi anunciou que aceitou a oferta de R$ 16,5 bilhões por sua unidade móvel. O consórcio comprador é formado pelas operadoras Claro, Tim e Vivo. A venda faz parte do processo de recuperação judicial da empresa, avaliado em R$ 819 milhões.

Segundo documento disponibilizado, R$ 756 milhões se referem a serviços de transição que a própria Oi vai prestar por até 12 meses. Além disso, há o acréscimo de compromissos de celebração de contratos de longo prazo de prestação de serviços de capacidade de transmissão da modalidade take or pay pela empresa.

publicidade

Após a compra, as operadoras serão classificadas para participarem do processo competitivo de alienação como “stalking horse”. Isso lhes dá o direito de cobrir a maior oferta que seja eventualmente apresentada, com valor de, no mínimo, 1% superior.

ReproduçãoOi está em processo de recuperação judicial. Foto: Divulgação

A empresa informou que “a Oi reitera seu compromisso com a execução de seu plano estratégico e o foco na sua transformação em maior provedora de infraestrutura de telecomunicações do país a partir da massificação da fibra ótica e internet de alta velocidade, do provimento de soluções para empresas e da infraestrutura para viabilizar a evolução para o 5G, voltada para negócios de maior valor agregado e com tendência de crescimento e visão de futuro”.

Oi lança clube de vantagens

O clima entre as operadoras de planos de celular é de rivalidade e isso traz uma diversidade de benefícios para o consumidor. Por exemplo, a Tim investiu recentemente no segmento pré-pago com o Tim + Vantagens. Agora, a Oi, em parceria com a agência EasyLive, anuncia uma novidade para o pós-pago: trata-se de um novo clube de vantagens, o Oi +Alegria.

O maior benefício do programa está no fato de que não é necessário acumular pontos ou valores a partir do pagamento de faturas. “O cliente poderá usar os descontos disponíveis para sua segmentação quantas vezes quiser, desde que esteja ativo e permaneça elegível na Oi”, registra o site do clube de vantagens.

Via: Money Times