EnglishPortugueseSpanish

Uma motorista reserva (backup driver) a serviço da Uber foi indiciada por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar, após envolver-se em um acidente seguido de morte em 2018, em Phoenix, no estado norte-americano do Arizona. O veículo autônomo seguia seu curso, mas acabou por atropelar Elaine Herzberg, de 49 anos.

Segundo a equipe jurídica do Condado de Maricopa, Vasquez estava distraída com o seu smartphone no momento do acidente, argumentando que, estivesse ela com a devida atenção na via, poderia ter assumido o controle da direção e evitado o atropelamento. A ré, por sua vez, declarou-se inocente durante uma audiência preliminar realizada na terça-feira (15), afirmando que não usou nenhum de seus aparelhos telefônicos antes ou durante o ocorrido.

publicidade

O Comitê Nacional de Segurança do Transporte (National Transportation Safety Board) concluiu, porém, que a motorista estava assistindo ao programa The Voice pela tela do celular, efetivamente impedindo a sua atenção à pista. O comitê ainda citou outros fatores de risco em sua avaliação, como a decisão da vítima de atravessar a rua fora da faixa, a falta de supervisão da Uber em relação aos seus motoristas e a falta de supervisão do Departamento de Trânsito do Arizona em relação a veículos autônomos.

Acionamento de emergência desativado

Uma perícia independente encomendada pelo comitê ainda concluiu que a Uber desativou o acionamento automático de emergência dos freios do veículo, preferindo depender da atenção da motorista reserva – Vasquez – para prover a segurança da via. Segundo a perícia, o sistema autônomo do veículo da Uber detectou a vítima 5,6 segundos antes do atropelamento, mas não foi capaz de determinar se tratava-se de uma ciclista, pedestre ou um objeto desconhecido, além de não conseguir aferir se ela atravessava o caminho a ser percorrido pelo carro.

Na ocasião da ocorrência, a Uber retirou das ruas do Arizona todos os seus veículos autônomos, demitindo cerca de 300 motoristas reservas, um dia antes do comitê lançar seu primeiro relatório preliminar pericial. O governador do estado, Doug Ducey, proibiu a empresa de operar veículos autônomos após o acidente, e o caso repercutiu por todo o país, desacelerando o trabalho de outras empresas do setor, que visavam inserir seus automóveis de direção automatizada no mercado.

Reprodução

publicidade

Algumas cidades dos EUA contam com serviços de carros autônomos da Uber. Imagem: Divulgação/Uber

Vale citar também que a vítima, segundo um exame toxicológico, testou positivo para metanfetamina. Vasquez, a motorista indiciada, por sua vez, tem duas condenações prévias – falsas declarações no intuito de obter benefícios municipais para desemprego e tentativa de assalto à mão armada -, tendo passado quatro anos na prisão.

A Uber, por si, não foi indiciada no processo, pois um promotor que atuava anteriormente no caso retirou-se após citar um conflito de interesse: no passado, ele havia participado de uma campanha sobre direção segura veiculada pela empresa.

O julgamento de Rafaela Vasquez está marcado para 11 de fevereiro de 2021.

Fonte: Associated Press