EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Em 30 de novembro, além de marcar a última Lua Cheia do mês, é o dia em que os observadores do céu podem admirar um eclipse lunar penumbral. Esse fenômeno ocorre quando a Lua passa pela parte externa da sombra da Terra (penumbra), projetada pelo Sol.

É um evento bastante sutil: a Lua ficará menos brilhante neste período, mas não terá um “pedaço inteiro” ocultado como em um eclipse umbral, quando a sombra da Terra é projetada diretamente sobre nosso satélite.

publicidade

Aqui no Brasil, os entusiastas poderão observar o fenômeno às 4h32 (horário de Brasília) no horizonte oeste. O evento será visto com mais intensidade a partir das regiões Norte e Centro-Oeste. Moradores do Nordeste, Sudeste e Sul também verão o eclipse penumbral, mas será menos notável.

Os eclipses deste tipo são diferentes de suas versões totais ou parciais. Durante um fenômeno total, a Terra passa diretamente entre o Sol e a Lua, impedindo que a luz solar chegue ao nosso satélite natural. Em contrapartida, em um eclipse parcial, a Lua passa por parte da sombra da Terra, conhecida como umbra.

Apesar do fenômeno acontecer, pode ser que ele não seja visto por diversos fatores, como céu nublado. Além disso, segundo a Nasa, pode ser que o “escurecimento da Lua durante este eclipse não seja perceptível sem instrumentação, mas para espaçonaves, como o Lunar Reconnaissance Orbiter, a redução de energia solar será perceptível”.

Como se orientar

Para facilitar a orientação e saber em que direção olhar, é importante identificar os principais pontos cardeais. Para isso, você pode usar um velho truque ou um app em seu celular.

publicidade

O velho truque é baseado numa frase que você deve ter aprendido na escola: “o sol nasce a leste e se põe a oeste”. Fique em pé e estique os braços, com o direito apontando para o nascente, e o esquerdo para o poente. Então você terá o leste à direita, o norte à frente, o oeste à esquerda e sul atrás de você.

Aplicativos de Bússola do Android (à esquerda) e no iOS. Foto: Reprodução

Quanto ao app, existem inúmeras opções. Quem usa um iPhone não precisa de um app extra, basta usar o “Bússola“, que é parte do iOS. Para Android minha recomendação é o “Apenas uma bússola“, da PixelProse SARL, que é bonito, simples, gratuito e, mais importante, sem anúncios.

Via: LiveScience